Pin It button on image hover

quarta-feira, fevereiro 28, 2018

Perfumaria - Que Arte É Esta?


Sinto-me atraída pelas artes. Aquela atração que impele, alheia as considerações lógicas.
Procuro uma forma,  caminho  ou a receita  na tentativa, talvez, de obscurecer a ausência da maestria natural, do toque de genialidade que distingue um artista de pobres mortais.
Escrevi versos pueris, pinteis cores vagas e certamente terei minha própria composição aromática. Algum dia. Música não me atrevo. Nasci deficiente de "ouvido" e a voz cantante lembra o desafinado grasnar dos corvos. Talvez nem tanto, mas aqui austeridade é melhor que a benevolência.
O que faço bem é ler, e tentar entender.
Como um perfumista consegue ver notas olfativas, ouvi-las e finalmente cheirar? Mistérios sinuosos e delicados da mente.
Imagino-me uma sombra observadora no estúdio de Jean Claude Ellena enquanto elabora suas mil formas vazias, a espera da perfeita, do aroma que se aproxime do conceito olfativo abstrato dentro da sua mente. Uma abstração odorífera.  Sua  "promessa angustiante"  e sequente "linha clara". Isto me surpreende.


O conceito me impressiona, pois para mim um objeto de pretensão artística surge primeiro, amorfo e sem identidade. Apenas caminha de encontro ao seu destino.E quando toma ciência é ou está.
Detenho-me a divagar sobre o método de Michel Roudnitska, um caçador de aromas e substâncias. Será que sua  mola impulsionadora é a descoberta maravilhada de uma nova raiz, uma resina de terras distantes, um cheiro de outra cultura? Estará aí o seu conceito primordial?
Pelo histórico e referências lidas  mestre Roudnitska, (Edmond) soa como um cientista dos odores que disciplinou e ordenou seu próprio caos criativo. E assim fez maravilhas.
Deixou um legado. Referências perenes para aprendizes.
Jovem, moderno e cotado perfumista, afirmou que não é necessário sentir o aroma para construir uma fragrância. Que basta lê-la quimicamente. A fórmula diz  qual é o produto  e indica o resultado das combinações.
Estaria ali a diferença sutil que Ellena refere? Entre ser o alquimista ou apenas um químico formal?
-"  Ao longo das minhas criações mudou minha maneira de conceber os perfumes. Não dou mais ouvidos ao mercado - a criação as vezes exige surdez. Não empilho mais os componentes, eu os justaponho uns aos outros; não os misturo mais, eu os associo. Meus perfumes são perfumes acabados, mas não terminados. Cada perfume  está ligado ao precedente e já figura no próximo.
Assim diz Ellena no "Diário de um Perfumista"
Será possível para jovens perfumistas conceber esta signature parfum  que Jean Claude Ellena desenvolveu apenas com áridas fórmulas químicas?


Alquimistas de odores sempre existiram e existirão. Hoje vicejam confinados na classificação nicho, árvore frondosa que produz inúmeros ramos.
Quantos mergulham nos seus jardins, destilam e esquadrinham cheiros enquanto apenas colhemos flores...Alguns místicos procuram nos símbolos e números ou na espiritualidade um norte para sua criação. Outros, terapeutas, esmiúçam a finalidade de cada óleo ou planta aromática, a interação com nosso corpo elaborando sinfonias de bem estar. Todos alquimistas, todos artistas.
Cada processo criativo uma arte.
E quedo-me perdida. A arte me seduz  e me conduz. Fantoche dos seus caprichos na compulsão de fazer sem saber o quê e porquê, sem conseguir repetir, reproduzir, ordenar.
Sinto-me aprendiz de outras vidas e ainda não absorvi esta tal de Perfumaria.

domingo, fevereiro 25, 2018

Mystère e Nicholas Mamounas


Meu primeiro parfum signature: Mystère by Rochas.
Especial, marcou minha história entre 20 e 30 anos, e deixou saudades.
Posso afirmar que foi a mola impulsionadora para a criação do blog Perfume Bighouse, pois atrás de um similar mergulhei no mundo da perfumaria. E encantei-me ainda mas pelo universo dos aromas.
Nunca encontrei uma fragrância tal e qual Mystère.
Entretanto senti curiosidade pela totalidade das criações de Nicholas Mamounas.
E voilá!
A casa Rochas nasceu em 1925 na França, fundada por Marcel Rochas. Sua história foi marcada por grandes perfumistas,  entre os quais Nicholas Mamounas no período entre 1970 a 1987.
As fragrâncias criadas na época marcaram história embora a maioria esteja descontinuada.


Grego de nascimento despertou para a química dos odores ainda criança e fazia experimentos em casa.  De formação acadêmica pela Sorbonne,  alcançou doutorado e começou carreira profissional  fabricando corantes.
Através de amigos descobriu o fascinante mundo olfativo e começou estudos  construindo seu herbário, sob orientação de um perfumista de Grasse.
A primeira criação e grande sucesso, incorporada à maison Rochas, foi Eau de Rochas.
Em 1978 consagrou o segundo sucesso: O admirável Mystère.

Criações de Nicholas Mamounas



Eau de Rochas feminino, Rochas - 1970

Mystere, Rochas - 1978

Macassar, Rochas - 1980 ( com Roger Pellegrino)

Lumiere original, Rochas - 1984

Fleur de Nacre, Jennica  - 1985

Byzance, Rochas - 1987 ( com Alberto Morillas)

Globe , Rochas - 1991

Eau de Rochas masculino, Rochas - 1993

Arbre de Vie, Jean Marais - 1998

Galaad, Jean Marais -1999. * Existe outra fragrância com a mesma denominação da casa Lubin criada por Delphine Thierry.

Pour La Belle, Jean Marais - 1999

Nicholas  Mamounas trabalhou para outras casas menos difundidas como Jennica  e Jean Marais.


Nota de Elisabeth: Notícias lidas afirmam que Mystère voltou através de Proctor&Gambles.  
Não vi, mas pela internet estão resenhas,  imagens e vídeos de Secret de Rochas Oud Mystère,  (2014) elaborado pelo perfumista  Jean-Michel Duriez. E flankers com rosas.
Pelas descrições não seguem a linha de Mystére, contudo uma ideia ocorreu-me:
Seria este o segredo do sucesso e desaparecimento do icônico Mystère By Rochas? 
Um inestimável e natural Oudh?
Devaneios... 






Imagens: Mystére de Victor wong; Nicholas Mamounas; Fleur de nacre de Serafina;

sexta-feira, fevereiro 23, 2018

Agarwood Parte II - Um rol de Fragrâncias


Fragrâncias com Agarwood - OUDH

Existem muitas listas online com fragrâncias que citam Oudh na pirâmide olfativa. Naturalmente é impossível conhecer e avaliar todos. Principalmente considerando que esta é uma nota difícil!
Apesar de estar mais conhecido e desejado na perfumaria ocidental o produto natural é extremamente dispendioso e raro.
As alternativas sintéticas não conseguem reproduzir fielmente toda a riqueza de nuances do agarwood natural.
Dentre os sintéticos também há diversidade.
Desde os blends de produtos artificiais com alguma quantidade de óleo natural até o similar mais simples e pobre.



Perfumistas de nicho tratam Oudh com reserva e cuidado, entretanto o acento populariza cada vez mais.
Procurei informações sobre diferenças entre Oudh natural e artificial.  Difícil quem já tenha experimentado. Mas colecionadores afirmam que o natural é animalic, enfumaçado, aproximando -se da civeta, enquanto o artificial tende ao medicinal e balsâmico.
No Brasil pouco se faz com este acento, logo pouco conhecemos. E o brasileiro ainda não abraçou totalmente a perfumaria nicho ou botânica...
Assim, diligentemente, tentei elaborar  uma listagem com a estrela Oudh intensa e predominante.
Vi-me impelida  mais uma vez  a abusar da gentileza de amigos, perfumistas, colecionadores ou aficionados pela perfumaria.
Surgiu este rol de fragrâncias nicho, perfumaria botânica, poucos attars e clássicos comerciais.
Alguns com o verdadeiro Oudh. Outros com compostos sintéticos, porém todos grandes fragrâncias.
Ressalto M. Micallef e Montale que podem ser considerados os designers precursores da perfumaria oriental  na Europa.
As  coleções de fragrâncias que levam Oudh são extensas nas duas casas.
Quanto aos attars será necessário mais pesquisas e um rol dedicado exclusivamente, vista que a profusão  de  fragrâncias é grande no mercado oriental.
* Muito obrigada para todos que sugeriram fragrâncias  e compartilharam imagens!


Foto de Wma van Winsberghe

Amber Oud de Rojas Parfum - Oriental condimentado e compartilhável foi idealizado pelo nez Roja Dove em 2012. Esta casa sofisticada, que prima pela qualidade da matéria-prima que utiliza , descreve-o como: Mistura sensual de cítricos com jasmim, rosa e ylang ylang sobre acorde de figo, musgo patchuli e couro. Benjoim , almíscar, orris e âmbar  suportam oudh e sândalo na base.



Foto de Wma van Winsberghe

Aoud Parfum de Rojas Parfum -  Com oudh em destaque, rodeado por rosa, jasmim e ylang é acrescido de gerânio, cítricos e ruibarbo. Na base madeiras, canela, noz-moscada, açafrão,âmbar, baunilha almíscar e couro. Roja Dove apaixonou-se pelos aromas orientais, pelo trabalho com Oudh e  pelo "cheiro de Backhoor"



Arabesque de DSH - A perfumaria natural de Dawn Spencer  traz Arabesque na linha de perfumes árabes terrosos e espirituais. Para a fragrância resinosa e lenhosa com toques gourmand reuniu  notas de figueira, romã, açafrão, rosa, chocolate, café e bakhoor oudh.



Attar AT de Andy Tauer -  Perfume veiculado em óleo cujo aroma floresce em contato com a pele. Óleo escuro e não diluído apresenta aroma coriáceo, animalic com notas de sândalo, madeiras, oud, vetiver, cistus, castóreo e jasmim. Aplaudido como  genuína fragrância oriental de acentos florais amadeirados e enfumaçados.



Black Golden Parfum - De Libby Paterson  / LPO ou Libby Patterson Organics. Com notas de immortelle, ylang ylang, rosa, patchuli, chá preto, cacau, sementes de coentro,  âmbar cinzento, tabaco, frankincense, árvore-de-fogo, oud/agarwood, jasmim, tuberosa, absoluto lírio d'água, absoluto junquilho, acácia, açafrão, cogumelo cepes, tília, laranja, limão, clementine, abeto, jacarandá, jasmim do imperador, neroli, sândalo, benjoim, artemísia,  noz-moscada, menta perilla,  baunilha, conhaque.



Black Oud de LM Parfums - Marca francesa criada em 2011 por Laurent Mazzoni apresenta formulações de  Jerome Epinette e Richard Ibanez.  O rol olfativo é cominho, incenso, noz-moscada, ládano, agarwood, civeta e baunilha.


Foto de: Vlad Stanescu

Dubai Amber de Bond no. 9 New York - Segundo comentário de colecionador  é âmbar cremoso, arredondado por oudh. Rico e opulento, típico do oriente Médio. Apesar de não citar Oudh na composição apresenta notas florais, de bálsamo de Gurjan ou Copaíba da Índia, madeira de guaiaco, cedro, açafrão, baunilha e almíscar



Dubai Oud de The Spirit of Dubai - A luxuosa casa criada em 2015 nos Emirados Árabes Unidos, Golfo Pérsico, com loja também em Londres cria perfumes com as notas típicas da perfumaria oriental. Dubai Oud traz na sua composição agarwood indiano, incenso, orquídea, lírio-de-maio,  rosa, couro e tabaco. Além deste outras fragrâncias apresentam Oud na composição:  
- Abraj homenagem à moderna arquitetura de Dubai com notas de pimenta preta, cardamomo,  bergamota, oud, patchouli, rosa e jasmim
- Meydan inspirado pelos campos verdes reais e majestosos cavalos árabes. Notas de lavanda, tons de oud, tabaco, sândalo e especiarias.



Harrods Oud  de Bond N.9 Perfumes  - Oriental amadeirado, 2018. Sobressaem notas de Oudh, cominho, mirra, âmbar e pimenta preta.



Hayat de Kemi -  Hayat ou vida em árabe é uma mistura inspirada nos quatro elementos antigos da terra, da água, do fogo e do ar. As notas são: laranja, lavanda, açafrão, cardamomo, canela, âmbar, cipreste, cedro patchuli e oud.



 L'Hombre de Envoyage Perfumes - Apesar de não apreciar distinção de gêneros nos perfumes Shelley Waddington diz que esta é seu perfume preferido para o público masculino: - "Adocicado sem exageros, picante, misterioso, sexy ... em suma, tudo o que um HOMEM deve ser." Bom rastro, fixação e uma nota de oudh equilibrada. Os acordes envolvem scotch, especiarias, cítricos, café, âmbar mineral, vetiver, musgo, patchuli e almíscar. Premiado com a medalha de ouro em 2013 nas categorias  Aroma, Combinação de Ingredientes e Perfumista Artesanal- International Fragrance Salon Awards Competition.



Majestic Oud de Shemagh Al Bassam  - Oriental amadeirado  criado em  2016 (Robertet) tem notas de limão, incenso, rosa, cardamomo, açafrão, couro, almíscar, oudh e madeiras.



Madly Kenzo Oud Collection -  Oriental floral de  2013, criado por  Alberto Morillas. Uma leitora definiu como um combo de rosa, almíscar e oudh. Clássico!


Megaleion de DSH Perfumes -  Madeiras incensadas juntam-se ao aroma balsâmico do rico oudh negro,  que é suavizado pelo acento de âmbar. As notas acessórias são: Cedro, bergamota, musgo, rosa, cardamomo, cássia, castóreo, canela, costo, noz de junça, patchuli, vinho tinto, olíbano, incenso, ládano, citronela, mirra, mirtilo, bálsamo do peru e nardo. Criado por Dawn Spencer Hurvitz em 2013.



Mohur de Neela Vermeire Creations - O nome refere a mais valiosa moeda indiana, a última cunhada em 1918. O clássico acordo oriental de rosa e oudh tem acento de couro, chá e um acorde sutil com notas de cenoura, cardamomo, ambrette e amêndoa. Mescla a tradicional perfumaria oriental com a opulenta tradição francesa.



Mosiqa Oud de Mishane - Uma crítica comparou o aroma aos pedaços de madeira oud de Mabhkara. Rico, intrincado, enfumaçado e terroso, porém suavizado pelo açafrão, toranja e sândalo. Dominado pelas madeiras apresenta cedro vermelho, e madeira palo santo.





Oud de Maison Francis Kurkdjian -  Criado em 2012 é compartilhável, oriental e amadeirado assinado pelo próprio Francis Kurkdjian. A pirâmide Olfativa destaca patchuli, cedro, açafrão, oud e elemi. Fragrância clássica , precedeu várias  com acorde oud, como Velvet Mood e Cashmere Mood  inclusive a recente ( 2018) Oud SilK Mood. Seguidores da marca relatam como perfumes equilibrados com acento enfumaçado suave.



OUD 777 de Stéphane Humbert Lucas 777 -  Perfumaria niche criada em 2013 na França. A composição adaptada de antiga fórmula do oriente Médio é um tributo do perfumista a exuberância do Sudeste Asiático. Usando Oudh branco do Laos, oudh marrom de Burma, couro e fava tonka o aroma se afasta do penetrante e agudo oudh da perfumaria moderna.



Oude Arabique de DSL Perfumes - Visto como místico, sagrado e raro este oudh é precedido pela nota de resina de lentisco ou aroeira. Agrega madeira de sândalo, buddha wood - óleo obtido de árore australiana, usado na meditação - cedro do Himalaia e bálsamo de tolú. Cálido e suavemente arborizado.



Oud Assam de Rania J perfumes - Usando puro oud indiano, considerado o mais espiritual oud traz uma faceta ocidental com as notas de vetiver, incenso e pimentas que transmitem a sensação lenhosa de um bosque. Intenso oud nesta fragrância.



Oud de Burgas  de Santi Burgas-  Perfumaria criada em 2010 cujos aromas são criados por Santi Burgas em colaboração com Blanca Dalmau, Rodrigo Flores Roux e Chris Maurice.  A fragrância oriental, amadeirada e  animalic  foi lançada em 2015.Suas principais notas são: Trevo, bálsamo de gurjan, cipriol ( nargamota) cedro, orris, madeira guaiaco, sândalo e Oudh.



Oudh Infini de Dusita Parfums - Pissara Umavijani é uma jovem tailandesa artista da perfumaria, que concretizou sua paixão pelos perfumes  em 2011 indo para Paris estudar o metier. Atualmente produz na maison de exclusiva perfumaria em Grasse, desde 2015. Oud Infini faz parte de uma coleção em homenagem ao renomado poeta tailandês Montri Umavijani, seu pai.


Oud Luban eau de parfum de Aftelier Perfumes - Oudh escuro resinoso e oito variedades fazem deste um perfume floral enfumaçado, picante e balsâmico  envolto em patchuli e  incenso. A fragrãncia preferida de Leonard Cohen .




Oud Stars Al Khatt de Xerjoff - Criado na tradição da perfumaria oriental traz Oud puro das plantações do Laos, Índia e Bornéu além da notas de madeiras, musgo, jasmim, baunilha e benjoim.
Sahraa Oud eau de parfum de Fragrance du Bois - Belo  e exótico bouquet temperado pelas notas de Oud , musgo e madeiras. Outras fragrâncias da marca, na coleção Oudh são:  Oud Noir Intense, London Oud, Oud Jaune Intense,  Oud Rouge e Heritage.


Imagem de Remco van Ellesvijk

Oud zen de Areej Le Doré  - É descrito como Oudh cru, selvagem e nú que leva à sensação de paz , harmonia e tranquilidade, quando equilibrado com madeira de sândalo e açafrão. Além de diversos tipos de Oudh na pirâmide constam vetiver, bálsamo de tolú, mirra, civeta e castóreo.



Rose d'Arabie de Armani Privé -  Centrado na intoxicante rosa damascena o perfume oriental floral  foi lançado em 2010. Adornam esta rosa voluptuosa notas de oud, patchuli e baunilha.



Rose Oud de Killian - Rosa verde (tintura de rosas) que lentamente absorve oud  tornando-se amadeirada, incensada e com acentos de couro. Apesar das notas intensas e cálido e feminino. Criação de Calice Becker em 2010.



Ruba'iyat Botanique de DSH Perfumes -  De composição 100% botânica foi construído com Oudh ( CO2) na tradição aromática  do oriente Médio. Inspirado na poesia do mesmo nome  traz ao redor acentos de incenso, açafrão e especiarias. Além das notas davana, rosas, mirtilo,  gerânio , sândalo, mirra, patchuli, ládano e ambrette.


Foto de Aggeloss Balami

Sahraa Oud Eau de Parfum de Fragrance du Bois - Criação na tradição oriental usa Oud puro das plantações do Laos, Índia e Bornéu. Outras notas são rosa, gerânio, jasmim, musgo, patchuli, sândalo, açafrão, âmbar e baunilha.
Da mesma marca  a coleção Oudh tem  Oud Noir Intense, London Oud, Oud Rouge Intense.




Santal Royal de Guerlain - Thierry Wasser, o perfumista de Santal Royal centrou no sândalo a construção do acorde que emoldura oud e couro de forma misteriosa e sombria. Acorde de jasmim e rosa iluminam a composição. Esta fragrância faz parte da coleção Luxury Natural Perfumes.



Signature Collection Oud de Ayala Moriel Parfums - Reúne 4 fragrâncias:
Bonzai - Oriental amadeirado e fresco com notas cítricas, verdes e diversas madeiras.
Charisma -  Contrasta notas quentes de jasmim com folhas verdes e etéreas.
Megumi - Chypre de rosa turca e jasmim indiano embrulhados em oudh e vetiver
Song of Songs - Ode ao amor, contém todas as plantas bíblicas aromáticas usadas para purificar e seduzir - Açafrão, rosa, nardo, incenso, mirra, oudh e ládano



Sybarite parfum - de JoAnne Basset  Parfums - Com notas de rosa branca da Bulgária, absoluto de flor de laranjeira, absoluto de osmanthus, neroli, absoluto de rosa damascena, frankincense, oud-agarwood, almíscar e ládano



Terrestre - de Roxane Iluminated Perfume -  Da perfumaria artesanal botânica e orgânica o perfume sólido é feito com cera de abelha, jojoba oil; oud, incenso, patchuli, terra indiana destilada (mitti) , vetiver, rosa e gálbano. Nasceu como uma homenagem ao planeta terra. Sincronismo entre acentos botânicos verdes resinosos e madeiras.  Compartilhável.



The Night de Frederic Malle - Assinado por Dominique Ropion é fragrância oriental amadeirada de 2014. As notas principais são Oud, rosa turca e âmbar.



Trayee  de Neela Vermeire Creations - Oriental condimentado de 2012 leva assinatura do nez Bertrand Duchaufour. Trayee (pronunciado 'try-ee' significa 'A Tríade'. O nome foi sugerido pela origem divina dos três primeiros Vedas: Rig, yajur e Sama - Vedic Era
 A listagem olfativa indica  alta porcentagem das substâncias naturais também usadas em muitas cerimônias vedicas. As notas são gengibre, elemi, canela, groselha, manjericão, absoluto de jasmim e cardamomo, cravo açafrão, sândalo,vetiver, incenso, sândalo, patchuli, âmbar, musgo, Oudh do Laos.




Velvet Rose & Oud de Jo Malone - Óleo corporal  seguindo o estilo oriental de perfumar-se (com óleos ou attars)  traz oudh, rosa, cravo-da-índia, trevo e pralinê na composição. Lançado em 2012 assinado por Fabrice Pellegrin. Segue a linha aromática de Rose d'Arabie Armani Privé.

Oudh 
" O oudh é incrível. Incrivelmente forte acima de tudo.Derruba qualquer um, golpeia como uma pedra caindo. Mas o que espanta é sua vasta dimensão: Um aroma imenso, espacialmente imenso e de uma incrível complexidade. Uma camada amanteigada tão profunda como uma folha de vidro, de impacto inteiramente animal, e ainda assim o oudh em si mesmo não é na realidade animal. Condimentado sem ser condimento. O fungo - os minúsculos micróbios orgânicos que comeram, digeriram e defecaram esta madeira sensual - deixaram para trás a sua fragrância, e o Oudh é o aroa desta madeira podre,inestimável, e de bilhões de diminutos seres mortos".  
O Imperador do Olfato, Chandler Burr.

quarta-feira, fevereiro 21, 2018

Agarwood Parte I - Uma Nota oriental


Fragrant Harbour, Incense Harbour, trầm hương", "hēunggóng" termos que significam Porto Perfumado e literalmente deram nome à Hong Kong, pulsante metrópole Chinesa.
Durante 150 anos colônia inglesa, até 1997, Hong Kong era rota de importação e exportação de uma madeira extremamente perfumada chamada Agarwood ou Aloeswood - Oudh.
Lembrou-me uma cidade brasileira Sinop (Mato-Grosso) onde existem inúmeras madeireiras, cujos caminhões transitam constantemente pela cidade carregando toras. O calor intenso e a umidade espalham rapidamente o aroma resinoso de madeira recém-cortada.


Entretanto Oudh é madeira de árvores Aquilária, principalmente Aquilaria malaccensis ou Aquilaria agallocha, infectadas por bolores entre os quais  Phialophora parasitica, que provoca a formação de resina com aroma terroso, arborizado, agridoce e pungente. Geralmente conhecido na perfumaria e aromaterapia como  oudh negro.
Outras espécies fornecem resina semelhante como Aetoxulon sympetalum da Indonésia que origina Oudh Branco de notas quentes, úmidas e picantes. Basicamente existem dois tipos comercializados de óleo oudh. O branco e o negro.
Esta qualidade aromática o fez conhecido no Oriente e na Ásia desde o século VI, usado para incensos nas cerimônias tradicionais budistas, hinduístas e islâmicas, em esculturas, na perfumaria e na medicina tradicional ayurvédica, tibetana e do Extremo Oriente. É analgésico e digestivo. Em alguns lugares acreditam que seja afrodisíaco.


Presente em antigos escritos religiosos cita-se que Buda declarou ser Agarwood  o aroma do Nirvana (Céu).
O Profeta Mohamed também conectou Agarwood com o Céu, prevendo que aqueles que entrassem no Paraíso "brilhariam como a Lua cheia" quando se juntassem em torno de árvores de "aloes-wood".
Desde a Antiguidade homens e mulheres queimam incenso de aloeswood para perfumar roupas, casas e ambientes.
Modernamente é composto de alto valor devido a escassez na Natureza;  aplicado na perfumaria, cosméticos e farmacologia.
As árvores Aquilárias são provenientes de grande parte da Ásia; Da China, do subcontinente indiano às ilhas da Indonésia e das Filipinas e novas espécies foram relatadas no Vietnam e Tailândia.


Para extrair o óleo essencial do cerne da madeira infectada utilizam-se 3 métodos principais:
-Extração super crítica ou CO2
-Vaporização
-Hidro destilação
Vários fatores contribuem para a melhor qualidade do óleo: - Árvores mais antigas, extração pela destilação, tipo de solo, ambiente, e envelhecimento do produto final. Uma infecção antiga em árvore velha produzirá um óleo-resina de qualidade superior.
Além do óleo (dehn al oud) , obtido pela destilação, existe uma forma  em passas (oud mubakhar) que pode ser macerada.


Mercados orientais fornecem muitas fragrâncias a base de Oudh, geralmente combinados com notas de rosa. O acento inicial é  denso, animalic, terroso e agudo. Porém a medida que evolui torna-se floral doce e amadeirado.
Conhecido como "Perfume da Vida" , o aroma  também  se modifica com o tipo de queima a que é submetido (incenso) e com as variáveis do corpo que perfuma. Evolui em características diferentes em cada ambiente..
Tanta  diversidade de expressão determina diversas  nuances nas características aromáticas do Oudh que evolui de maneira caprichosa e única.

Sesquiterpenos, feromônios de defesa encontrados nas plantas medicinais ou tóxicas, são os principais constituintes do óleo.
Existem dificuldades para  reproduzi-los artificialmente o que explica a  diferença de  qualidade no Oudh sintético. A indústria ainda procura substâncias  artificiais que reproduzam toda complexidade deste odor.


Contudo vários fornecedores disponibilizam  agarwood sintético, reconstituído (blend), ou bases que combinam moléculas isoladas com óleos essenciais para chegar ao resultado mais similar ´possível.
Numa floresta natural cerca de 7% das árvores Aquilária estão infectadas, porém não é possível saber quais  antes do corte. Assim o abate indiscriminado tornou-se muito predatório para as espécies selvagens de Aquilária.
Algumas estão ameaçadas de extinção.
Quando uma árvore cai naturalmente  resina escura se forma dentro do cerne, que é colhido e usado para incenso, fins medicinais e extração de óleo.  Quanto mais velha a árvore melhor a qualidade e mais cara a madeira.


 Sementes

Este cerne dependendo do grau e idade da infecção vai do amarelado ao marrom escuro quase preto. A madeira adquire uma aspecto poroso muito característico que dificulta a falsificação.
Incensos envelhecidos são muito valorizados e alguns podem ter aproximadamente 100 anos.
Aquilária tem pequenas flores  de  coloração pálida,  amarelo esverdeado,  de aroma doce.
A demanda de oudh excede a oferta o que inflacionou tremendamente o produto. É a madeira mais cara do mundo.
Vários métodos para obter Agarwood em cultivo são estudados, contudo as árvores necessitam de um período que vai de 5 a 10 anos para extração o que desestimula produtores.
Além disto existem preocupações com o mercado consumidor, com as comunidades produtoras e estabilidade econômica das regiões envolvidas.

*A Parte II da série Oudh, Nota Oriental traz  um rol de fragrâncias contendo acento percebível deste óleo singular.

Imagens: HongKong Séc XIX; Aquilária de Oud Essentials; Oud essential oil de kanaujj attar; Agarwood de Plantação kerala, oud essentials oil; Vietnam Agarwood.

Recapturando de antiga resenha (Série Távola)  um momento sonho oudh...uma pequena crônica...uma inspiração para Agarwood - Parte I e Parte II 



Sonhei que tive um sonho.
Deslizava  pelo tempo, delicada e leve como uma pluma, tingida pelas mil cores dos lugares visitados.
Maravilhada, em cada canto vestia folhas secas impregnadas pelos odores e histórias de toda gente.


Visitei os primórdios africanos, rococós e rendas, estepes geladas, palácios, florestas  e desertos empoeirados. Conheci bárbaros, príncipes e gentio, senti o calor dos dragões.
Ri e chorei deslumbrada com o passado, embora não tenha ultrapassado umbrais do futuro.
Fiz-me rainha dentro de pirâmides entre milhares de óleos aromáticos, joias perfumadas que me aprisionaram em teia dourada.


Um sábio  de mágicas e filosofias pediu-me para escolher apenas um e seguir viagem.
Não consegui.
Na gula incoerente queria todos. Restou-me  a jornada, sem nada na bagagem, com todos os odores escondidos, em nichos secretos da memória, pelo tempo...


Mistérios insondáveis a espreita nos labirintos da mente. Que chave abriria esta arca oriental e perfumada?
Seria  um attar de oud, de rosa damascena, patchouli, mirra, de sândalo, incenso, ou de almíscar?
Talvez aquele  que  encerrasse todas as notas na sua composição em sinfonia de beleza  harmônica e estonteante.


Experimentei a primeira chave, esculpida na rara madeira Agarwood...
Elisabeth Casagrande