Pin It button on image hover

quarta-feira, novembro 07, 2012

Água de Verão Cavalheiros - Companhia da Terra


No decorrer do ano 1974  Tom Jobim gravou em Los Angeles o  long play  Elis & Tom com  Elis Regina, talentosa intérprete da  belíssima composição - Águas de Março.
Anos revolucionários, reinado dos festivais de música, poetas e botequins, serestas,  ginga carioca, e de garotas que herdaram a Ipanema de Leila Diniz.
Como disse o poeta Drummond: -" Sem discurso nem requerimento, Leila Diniz soltou as mulheres de vinte anos presas ao tronco de uma especial escravidão."
Década pródiga em renovação de conceitos e criatividade  artística...


Rio de Janeiro era cenário fecundo para todas artes e, na serrana e bela cidade  Petrópolis, Ricardo Penafiel Malta, cujos pais mantinham laços de amizade com Jobim e Elis Regina exercitava sua paixão pelas artes.
Das  andanças pela Europa Penafiel trouxe fórmulas e conhecimento sobre o preparo de perfumes, adaptados para criar uma fragrância pessoal utilizando bioativos nacionais e importados. Da terra natal absorveu musicalidade, cor e aromas .


Assim, homenageando a música Águas de Março surgiu Águas de Verão, perfume masculino, carro chefe da marca Companhia da Terra fundada no ano em curso, 1976.
Composição de evolução complexa, acompanhando o impressivo estilo aromático  peculiar das décadas 70 e 80, interage ricamente com a pele, na ambivalência de tons quentes e frios.
Inicialmente desprende aroma cálido, doce, especiado e animalic mantendo ao fundo certo frescor orvalhado como um bouquet atado por  feixe de cardamomo, coentro, cítricos e enfeitado por ramos de alfazema, toques de gerânios.

 Vagarosamente estas notas ressaltam o acorde de couro macio, enfumaçado e picante expressando   doçura de canela, cravo e baunilha.
Luvas de couro perfumadas, um clássico da perfumaria!
Entremeando o acento leve, ainda presente,  das frutas cítricas e ervas verdes iniciais insinuam-se acento terrosos, herbáceos e úmidos de patchuli e vetiver.
Compartilham suas características com madeiras enfumaçadas na queima da mirra, e na caliência do benjoim, devidamente embalados pelo almiscar ambarado de hibiscus.


Em evolução lenta e cadenciada  nos surpreende com passos inesperados surgidos no calor do corpo, ou  nas  lufadas de vento que recebemos, tal qual  diferentes arranjos numa roda de viola, onde  músicos habilidosos renovam antigos chorinhos e sambas.
De sillage impressiva e fixação sólida, o líquido âmbar encerrado em frasco vintage revela na cor e aroma a procedência natural de alguns óleos, que caracterizam  Águas de Verão de Companhia da Terra como fragrância atemporal  para se usar de janeiro a dezembro.
Nas águas de março, nos ventos de julho, no colorido de outubro...pois  muito tempo depois de aplicado deixa resíduos verdes e frescos das folhas, das raízes, como se transmutasse de estação, mês a mês.


Família Olfativa: Fougere amadeirado, 1976
Gênero: Masculino
Perfumista: Ricardo Penafiel Malta
Rastro: Intenso
Fixação: Ótima
Notas Olfativas: Cítricos, coentro, cardamomo, alfazema, rosa, jasmim, ylang-ylang, canela, cravo, baunilha, vetiver, patchuli, mirra, benjoim, âmbar branco, couro, cedro.


Vídeo: Águas de Março - Elis regina e Tom  Jobim - Gravação do álbum Elis e Tom


Imagens: Fotos de Elisabeth Casagrande; imagens gentilmente cedidas por Companhia da Terra; Fazenda Marambaia - Petrópolis/ Rio de Janeiro/Brasil no paisagismo de Burle Marx -  projeto em 1949.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Apreciarei sua opinião ou sugestão e tentarei responder as suas dúvidas!