Pin It button on image hover

sábado, maio 21, 2011

Hasu-No-Hana - Grossmith London


James Albert Michener não é perfumista, entretanto seus romances de ficção mesclada à fatos históricos inebriam e transportam como aromas atemporais.
Ao experimentar a fragrância Hasu No Hana, revivida por Grossmith  tive a mesma sensação de encantamento sentida ao descobrir que Sayonara, a bela história de paixão do major americano pela garota Hana-ogi fora uns dos mais de 40 títulos  do meu autor preferido, detentor de um Pulitzer Prize for fiction.
Sayonara, o romance, traça a beleza delicada e contida, porém intensa, das mulheres japonesas, retratada na sedutora personagem Hana-ogi  que desfilava sua graciosidade nas cerimônias de chá, entre paredes de papel desenhado e treliças de madeira.
Algumas  casas de chá e de gueixas  eram cenário de  exuberantes  jardins japoneses,  onde imagino o murmúrio de um riacho e o misticismo da estátua de Budha, rodeada pelas  folhas de bambú e alvas flores de lótus.


Frente a esta imagem  talvez a gueixa apaixonada pedisse silenciosamente, sob o brilho aúreo do luar,  melhores augúrios para seu infortúnio, enquanto  seu perfume, intenso e doce, refletindo a paixão da alma feminina se espelhasse nas flores sobre a água.


Hasu No Hana ou 蓮の花 significa flor de lótus  e um perfume de 1888, fabricado por Grossmith & Song, registrado apenas em 1913, que atravessou séculos para encantar, como uma linda história de amor.
Também  representa  um fascinante  chypre floral que encontra a pele no ardor camuflado de cítricos, submersos por flores doces e resinosas.
 Embora o bouquet seja suave em tons cálidos e cremosos percebe-se sob gotas de resinas translúcidas - canforados  filetes dourados - o sombrio aroma de cantos úmidos,  pedras recobertas por musgos densos, raízes   e folhas que gradativamente  se aquecem ao sol nascente, revelando madeiras antigas,  galhos e troncos secos, empoeirados.


Desfilam flores...ylang ylang,  rosas, lírios, revestidas de calorosas e balsâmicas resinas, ládano, traços de civeta e pitadas de pimenta  mantendo o calor e suavidade rente a pele, entre a  voluptuosa doçura de fava tonka e o aveludado exótico e  herbáceo da íris.
Musgo constante confere  o inconfundível tom chypre  sem  desviar da feminilidade, marca impressiva em Hana No Hana.
Almíscar, âmbar, sândalo  e cedro equilibram  as gotas de musgo arrematando a evolução da fragrância qual enlaçar primoroso de um  obi sobre  exótico quimono de seda.

Família Olfativa: Chypre Floral, 1913 - 2009
Gênero: Feminino
Perfumista: Roja Dove
Frasco: Baccarat
Rastro: Intenso
Fixação: Muito Boa
Pirâmide Olfativa:
  • Topo - Bergamota, laranja amarga
  • Coração - Íris, jasmim, ylang-ylang, rosa, musgo-de-carvalho
  • Base - Vetiver, madeira de sândalo, patchuli, madeira de cedro, fava tonka

VÍDEO: Semente da Flor de lótus  - Flor-de lótus, flor associada á Budha  simboliza elevação espiritual, beleza e pureza.



Imagens: Capa de Sayonara de James A. Michener e frasco de Hasu no Hana - Grossmith London; Frasco Vintage e reedição 2009 de Hasu-no-HAna de Grossmith Nelumbo nucifera de Wikipedia e Flickr

2 comentários:

  1. Além de ter despertado em mim, interesse pelo perfume Hasu-no-Hana, o seu post me fez ficar louca para ler o livro "Sayonara"!
    Mais uma vez, parabéns pelos seus posts maravilhosos Beth!

    ResponderExcluir
  2. Oi Elen
    Obrigada flor.Hasu no Hana é chypre tradicional e delicioso. O trabalho de adaptação para a disponibilidade de matéria-prima atual foi muito bem feito.
    Quanto a James Michener, os livros são fantásticos. Difíceis de achar, mas recomendo muitíssimo Caravanas, A Fonte de Israel, Aliança, Space, Cuba. São romances maravilhosos, épicos que misturam ficção com personagens verdadeiros. Uma aula de história sem que percebamos.
    Sayonara fez muito sucesso na década de 50 e virou filme com Marlon Brando. São lindos estes filmes antifos...Beijocas de Elisabeth

    ResponderExcluir

Apreciarei sua opinião ou sugestão e tentarei responder as suas dúvidas!