Pin It button on image hover

terça-feira, fevereiro 08, 2011

Les Parfums de Rosine- Uma História Francesa

Era uma vez... um garoto criativo que foi colocado como aprendiz numa fábrica de guarda-chuvas, na tentativa de garantir seu futuro no ofício.
Chamava-se Paul Poiret.
Contudo, mentes inquietas  ultrapassam  fronteiras,  e o rapazinho  utilizando esquecidos  retalhos de seda dos guarda-chuvas idealizava  peças de roupa  para a boneca da irmã.
Adolescente, conseguiu vender seus desenhos para modistas como Madeleine Cheruit, até ser oficialmente contratado, em 1896, por Jacques Doucet.
Começou  cedo uma carreira, na qual o  primeiro trabalho, uma ousada capa vermelha, vendeu 400 peças.
Worth, a tradicional maison, reconhecendo talento contratou o jovem, que em breve se revelou inadequado para a sóbria e conservadora clientela.

Buscando desafios,  atrevido e corajoso,  Poiret saiu para a própria aventura, em 1903, levando na bagagem  uma  inédita capa-quimono, que fora rejeitada pela princesa russa Bariantinsky.
E fez sucesso! Estrondoso!
Subverteu conceitos, trouxe energia e modelagens novas para a moda feminina libertando a mulher do espartilho (corset), renovando panejamento em drapeados, desenhando pantalonas e trabalhando  peças retangulares com pródigo talento.
Andou de mãos dadas com o Modernismo sendo  considerado o Picasso da moda no século XX,  pelas propostas revolucionárias.
Na vida pessoal, menos  feliz, terminou de forma tumultuada o casamento com sua musa, a esguia e provinciana Denise Boulet,  apesar dos cinco filhos - Rosine, Martine, Colin, Perrine e Gaspard.


Antes disso, determinado  a garantir o futuro da prole feminina, fundou um negócio para cada filha.
Martine ganhou École Martine, onde jovens desenvolviam diversas habilidade e destreza nas artes manuais, e em 1911 a filha mais velha Rosine recebeu Les Parfums de Rosine.
Chez Poiret, o primeiro perfume da maison, surgiu em 1912.
Estava escrito o começo de uma história que deveria ser a continuidade da brilhante trajetória.
Contudo, aconteceu a Primeira Grande Guerra Mundial.
Empresas promissoras  ou tradicionais ruiram,  e assim aconteceu com a casa Poiret, que se debateu entre concorrentes ferozes, maisons florescentes  como Chanel, caracterizada pela modelagem simples  de  fino acabamento, que atendia  as exigências da sociedade pós-guerra.
Um triste fim determinou o esquecimento para o gênio de Poiret,  lançando ao anonimato sua moda ousada e original.
Faleceu em 1944.

 Passado o tempo, nascida em outra família de perfumistas, Marie Hélène Rogeon, bisneta de Luis Panafieu, criador da Eau de Cologne e da pomada para bigodes do Imperador Napoleão III,  colocou em bases concretas uma antiga admiração.
Quando frequentava a casa dos seus avós, que trabalharam para o lendário costureiro  Paul Poiret, vasculhava o sótão em busca das garrafinhas antigas, rótulos, rendas e fitas, vestígios da fascinante e dourada época  de moda e perfumaria.
Após trabalhar 15 anos  nas famosas casas Givenchy e Balmain, experiente,  consciente dos seus propósitos  na renovação dos rumos da perfumaria, optou pelo segmento niche   reavivando   Les Parfums de Rosine em 1991.
Décadas de esquecimento, para finalmente ressurgirem  preciosas fórmulas dos anos 20.
Nascida no seio de perfumistas, habituada ao universo mágico e delicado dos aromas, dos frascos artísticos e delicados, entre perfumes  e  rosas, sua outra paixão, Marie Hélenè encontrou um caminho.
Perfume de rosa,  no caleidoscópio  de expressões  que permitem  sua essência quando conjugada à diferentes aromas,  transformando a versátil flor em arma  de sedução, feminilidade e doçura, é a peça fundamental desta empresa renovada.


 Les Parfums de Rosine explora facetas, busca associações para oferecer expressões  que partem da simplicidade pura à mais intensa sofisticação, da transparência ao mistério.
De embalagens originais, muitas idealizadas na École  Martine, de fórmulas antigas elaboradas  por Henri Alméras, que criou Joy na década de 30, surgiram as bases para os perfumes atuais.
 A alquimista Marie Hélène Rogeon e o nose Francois Robert, buscaram em matéria-prima exótica e de qualidade irrepreensível, em misterioso e exclusivo absoluto de rosas búlgaras e turcas,  a ponte para transpor um  lapso de tempo.
Graciosamente, mesclando romântico passado com ideais perfeccionistas do presente.


Experimentando cada uma das 18 fragrâncias, da coleção de echantillons atualmente vendida ao público,  percebo bouquets de rosas, versáteis, saborosos, atemporais e muito  apreciáveis.
  • La Rose de Rosine - Floral
  • La Rose Légere - Floral
  • Roseberry - Floral Green
  • Rose D'Ete - Floral Fresco
  • Eau Fraiche Rose d'Ete - Floral Fresco
  • Poussiere de Rose - Floral Amadeirado
  • Un Zest de Rose - Floral Rosa Cítrico
  • Ecume de Rose - Floral Aquático
  • Une Rose Au Bord de la Mer - Floral Aquático
  • Rosa Flamenca - Floral Bouquet
  • Une Folie de Rose - Chypre
  • Rose de Feu - Floral Especiado
  • Rose d'Amour - Floral Soft
  • Rose D'Homme - Floral Rosa Amadeirado
  • Twill rose - Verde Amadeirado
  • Daibolo Rose - Floral Fresco
  • Zephir de Rose - Floral Aromático
  • Rose Kashmire - Oriental Floral
  • Rose Praline - Floral Gourmand
  • Secrets de Rose - Floral Ambarado
  • Rosissimo - Floral Hesperide
Les Parfums de Rosine, Jardins du Palais Royal,105 Galerie de Valois,75001 Paris  

Imagens: Desenhos de coleções  Paul Poiret 1911-1912; Banner de Les Parfums Rosine /1912; Marie Hélène Rogeon; Maison Les Parfums Rosine; Echantillons  Les parfums Rosine 

Vai ao Shopping? Confiras preços e marcas nas boas lojas que abrem suas portas em Perfume Bighouse 

2 comentários:

  1. Que história maravilhosa,Beth.Muitos sonhos foram dizimados nas duas grandes guerras...entretanto pessoas sensiveis têm resgatado alguns para nós como Marie Hélène.Bijocas.

    ResponderExcluir
  2. Oi Yalla.
    Sim, as grandes guerras mundiais foram terríveis para a economia. Nós tão longe sentimos, imagine como afetaram a Europa. E estas perfumarias que tem se renovado são exemplos. Muito lindas com os perfumes depoimentos de outras épocas, cheiros do passado que se modernizam. Adoro isto.Beijocas . Elisabeth

    ResponderExcluir

Apreciarei sua opinião ou sugestão e tentarei responder as suas dúvidas!