Pin It button on image hover

domingo, janeiro 30, 2011

Angel eau de parfum - Thierry Mugler

Doce orgia e mergulho na profusão de luxuriante universo gustativo!
Quando o conheci repudiei de imediato.
Tanta intensidade doce e gourmand me pareceu  uma overdose para os  sentidos e afirmei categórica que nunca usaria a caótica  fragrância.


Estranhamente Angel exerceu algum tipo de sedução, pois mesmo na negação, sorrateiramente se insinuou, dissimulado e tentador.
Dias depois  do primeiro contato  veio inesperada lembrança, e a vontade de sentir novamente o emaranhado guloso dos acentos marcados pela baunilha.
Desta vez  me pareceu mais atraente, Era o princípio da teia sedutora que me envolveria de forma definitiva.
Rendi-me.


Viciante Angel... a cada nova experiência de reconhecimento mais encantos deixava transparecer.
Essência de simulada inocência nos aromas de frutas mergulhadas em chocolate, caldas caramelizadas, mel, canela e amêndoas, revelando inesperada  malícia no tempero de apimentados condimentos e veemente patchuli.
Agridoce de baunilha conjugada ao vetiver, confeitos  açucarados e picantes, frutas indistintas trazendo um súbito frescor na  suavidade compartilhadas com flores e madeiras...
Imagino madeiras sob  sol recebendo descuidadamente  gotas  de chocolate, que derretido, entranhou, embebeu, sumindo entre frestas e ranhuras, deixando atrás de si  marca  perfumada e indelével.

  
Angel desperta repulsa e fascínio, ocasionalmente para a  mesma pessoa, e  não duvido que alguém experimente  estas sensações simultaneamente, como  pobre mortal, medrosamente atraído pelo  proibido e pecaminoso  aroma dos deuses.
O que não se pode negar é um carimbo de feminilidade que exala da pele em  provocação sensual evocando prazeres de  gula e  luxúria.
Lendário, descrito como marco da perfumaria dos anos 90 e precursor dos aromas gourmand,  é vítima da própria fama, imitado nos quatro cantos do planeta, em versões  muito próximas ou aberrantes e baratas.


Apesar disto não é totalmente inovador na estrutura,  vista que é possivel sentir algumas das suas nuances em perfumes de outrora, como no tradicional Nirmala, que sugere proximidade de notas tanto para Angel como para Angel Innocent,  em ancestralidade genética.
  Se originalidade não está presente como  característica primordial  certamente ocorre ousadia na concentração de ingredientes.
Angel parece reunir todos acentos doces disponíveis, aceitando no mesmo contexto estrelas rivais,  de brilho intenso  formando uma constelação que a princípio  pareceria  incompatível.
E sobrevive... às imitações, à dualidade de admiradores e inimigos, ao surgimento de inumeros flankers e à passagem do tempo, como verdadeiro ícone, de monárquico domínio.


Embalado graciosamente numa estrela de vidro  azul e prata, não deixa transparecer no tom frio toda a potencialidade explosiva dos seus acordes.
Apesar do lindo design do frasco estrela, imagino  se o azul  da noite, aveludado, profundo e quase negro, ou  os tons quentes  de castanho, como nas profundezas de solo e rocha,  não seriam mais adequados para conter tamanha exuberância.

A partir do lançamento, em 1992, a grife trouxe ao público variações sobre o mesmo tema, e novamente fui seduzida, desta vez  pelas estrelas florais deste jardim angelical.

- 2005 Angel Garden Of Stars - La Rose
- 2005 Angel Garden Of Stars - Le Lys
- 2005 Angel Garden Of Stars  - Pivoine Angel
- 2005 Angel garden Of Stars - Violette Angel
- 2007 Angel Caprice de Star
- 2007 Angel Forever
- 2007 Angel La Part des Anges 
- 2009 Angel Liqueur de Parfum
- 2010 Angel Mugler Shoe Star
- 2010 Angel Sunessence  Legere
- 2010 Angel Sunessence  Bleu Lagon
- 2010  Show Collection Angel Extrait de Parfum
- 2011 Angel Etoille Seduisante

Família Olfativa: Oriental Baunilha
Gênero: Feminino
Perfumista:Olivier Cresp, Yves de Chirin - Quest International
Frasco: Mugler - fabricado por Verrires Brosse
Rastro: Intenso
Fixação: Excelente
Pirâmide Olfativa:
  • Topo - Melão, coco, tangerina, cássia, jasmim, bergamota
  • Coração - Mel, damasco, groselha negra, ameixa, orquídea, pêssego,jasmim, lírio do vale, cereja, rosa
  • Base - Fava tonka, âmbar,patchuli, almíscar, baunilha, caramelo e chocolate ( veltol)
*  Angel foi agraciado com FIFI Award Hall Of Fame 2007

VÍDEO: Angel - Katherine Jenkins



Imagens: Banners  publicitários de Thierry Mugler

8 comentários:

  1. Oi Beth,
    Acho que já dividimos essa experiência e a minha primeira reação também foi de que jamais usaria perfume tão doce. Ainda mais sendo eu tão apaixonada pelos orientais e florais amadeirados. Mas não teve jeito, me rendi totalmente também. Foi Angel que me fez sentir a baunilha de forma diferente e a começar a gostar. Adoooroooo !
    Acho que Thierry Mugler conseguiu o resultado esperado com Angel: é intrigante, polêmico, e para quem está sempre aberta a novas paixões arrebatadoras. Não necessariamente um caso de amor a primeira vista, mas um daqueles romances que começa passional desde o primeiro encontro: repulsa imediata seguida de arrebatamento de paixão de tirar o folêgo rsrsrsrs
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. É verdade Mel! Odiei Angel à primeira vista, mas voltei atrás. Foi um caso de sedução explícita.
    E gosto muito das 4 versões florais.
    Aliás foram minhas primeiras resenhas no blog.
    Creio que se gostamos verdadeiramente da perfumaria, a mente e o olfato precisam estar abertos para novas experiências.
    Os horizonteds devem ser ampliados e o aromas apreciados sem preconceitos. Por exemplo, não sou muito amiga dos frutais e dos aquáticos entretanto reconheço excelentes perfumes nestas famílias olfativas. Inclusive uso. Mudar significa que estamos vivos. Beijocas flor. Elisabeth
    Beijocas de Elisabeth

    ResponderExcluir
  3. Olá,como chegou a vez do angel não posso deixar de comentar. Quando experimentei angel à primeira vez fiquei fascinada: era o meu perfume!Levei-o para casa como uma preciosidade e aguardei até o momento de sair para uma bela estréia. Me sentia poderosa...mas na primeira borrifada: - Que lástima! Não parecia o angel que eu experimentei na loja parecia mais forte sufocante sem aquela sedução que tanto me fascinou. Mas era ele e estava ali no meu armário.Como eu desejei aquele tester da loja! Usei algumas vezes no inverno passado mas continuo sem compreender... se meu nariz me pregou uma peça ou foi o perfume...
    beijocas.

    ResponderExcluir
  4. Oi Yalla
    Realmente Angel provoca controvérsias. Parece que acentua esta capacidade de reagirmos aos aromas de forma equivocada ou instável.
    É natural uma primeira impressão diferente da posterior. Acontece assim ao conhecermos pessoas. As vezes, a primeira vista, nos tomamos de amores, depois percebemos características que não nos agradam tanto.Com objetos, roupas, comidas e lugares, a mesma coisa.
    Meu nariz já pregou destas peças várias vezes. No caso de Angel foi num leque mais amplo. Mudou meu conceito sobre perfumes dulcíssimos.Agora aprecio e antes não suportava.
    Creio que tudo depende da época da nossa vida, do estado de espírito e até do físico. Parece que temos fases onde estamos mais propícias ás mudanças.
    Quem sabe você voltará aos bons termos com Angel no futuro...ou acentuará o desgosto! Beijocas de Elisabeth

    ResponderExcluir
  5. A Yalla teve a mesma experiência que eu tive com o Cabochard. Amei o tester mas quando recebi corri pra experimentar novamente e foi aquele susto. Senti uma repulsa imediata que me deixou tão frustrada...esperei tanto por ele, queria tanto...Mas aos poucos fui me reaproximando e redescobrindo Cabochard. Não acho que ele seja um perfume pro verão, mas acredito que até o próximo inverno eu esteja caidinha de paixão por ele rsrsrsrs Siga o conselho da Beth, dê tempo ao tempo Yalla, e permita-se uma reaproximação para desfrutar o Angel, acho q vc não vai se arrepender !
    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Já o tive, mas me desapeguei...não consegui sustentá-lo, mas concordo que seja um perfume que marcará a história da arte perfumística.

    bjs
    Dâmaris

    ResponderExcluir
  7. Estas reações são tão inesperadas!
    Lembro que não gostei de OH de Moschino quando recebi.
    Senti um aroma tão estranho. Muito verde, muito agreste.
    Um dia com enxaqueca saí com minh filha e OH. Ela perguntou;
    - Porque um perfume tão doce se você está com dor-de-cabeça mãe ?
    E realmente ... he he he. Parece que OH tinha mudado.
    Mas o que não tem jeito de me convencer é o clássico Dolce&Gabbana da embalagem vermelha. Este já tentei umas 3 ou 4 vezes. Somos incompatíveis!
    Sinto com muita veemência um odor parafinado no corpo do perfume. É uma pena porque as notas de topo são magníficas.Beijocas para todas.

    ResponderExcluir
  8. Não adianta, eu não consigo gostar dele. Na minha pele é um desastre.

    ResponderExcluir

Apreciarei sua opinião ou sugestão e tentarei responder as suas dúvidas!