Pin It button on image hover

quarta-feira, janeiro 06, 2010

Quartz Pure Red eau de parfum - Molyneux

Baile de formatura.
Sofisticação teen na idade preciosa que almeja a maturidade mas não abandona os prazeres de infância.
Saída de colégio, pastel na feira livre, violão nas costas e músicas dedilhadas num banco da cidade ao lado do boêmio de rua.
Ricas lembranças como as do primeiro amor.


Assim me pareceu Quartz Pure Red eau de parfum.
Passos iniciantes da garota no requintado universo da mulher adulta.
Saboroso aroma de doces, de sessões de cinema com a galera, somado ao floral adulto que acompanha o primeiro vestido à rigor.
Pure Red a princípio traz uma sensação indefinida de confeitos.
Aquele despertar do olfato quando comentamos repentinamente:
- Hummm, a vizinha está fazendo doce...
Sem sabermos realmente qual é o doce.


Existe um sabor agradável, confortável, de gula quase infantil neste blended que encerra cítricos, maçãs e pêssegos temperados pelo delicado apimentado da aroeira.
Candies que não escondem as flores!
Estas surgem elegantes, vestidas para festa, brilhantes na beleza e frescor próprios da juventude.
Picantes ou petulantes, envoltas por dose mínima de vetiver e generosa baunilha almiscarada.
Àmbar faz contraponto delicado às especiarias da saída e às notas verdes que acompanham o coração floral.
Uma agradável fragrância que permanece na pele o tempo exato de um baile de adolescentes.


Família Olfativa: Oriental floral, 2008
Gênero: Feminino
Designer: Molyneux
Rastro: Moderado
Fixação: Regular
Pirâmide Olfativa:
  • Topo - Maçã, bergamota, pêssego, tangerina, aroeira
  • Coração - Rosa, jasmim,violeta, sálvia dos jardins
  • Base - vetiver, almíscar, baunilha, âmbar.
Arte Irmã
Vídeo: Wouldn't it be nice - Beach Boys



Imagens: Gockel Music life ig ; Monsen Taylor com frasco Quartz Pure Red -Molyneux ; Colagem de Elisabeth Casagrande

6 comentários:

  1. Betinha !!!
    Amei a resenha! Fiquei aguada pra experimentar esse perfume !
    O problema é a fixação ! Que coisa, nem tudo é perfeito !

    Parabéns pelo blog, está demais.

    Beijos!

    Lucélia Ortega

    ResponderExcluir
  2. Oi Lucelia.
    Acho que você gostaria deste, apesar de não ser daqueles "poderosos " que deixam rastro. Jeanne de Lanvin tem este lado bom e fixação ótima.
    O engraçado é que li algumas opiniões dizendo que a fixação do Quartz Pure Red é ótima. Outros comentários concordam comigo.Muito fugaz.
    Na minha pele ficou quase imperceptível em mais ou menos 4h.
    Tempo de um baile... um pouquinho menos, pois sempre fiquei até a última seleção...kkk. Aliás todos em casa, antigas e nova geração são "pé-de-valsa". Beijocas florzinha.

    ResponderExcluir
  3. Olá!

    Qual a sua opinião sobre o perfume Quartz (Molyneux, o tradicional)?

    Eu, particularmente, tenho uma vaga lembrança dele (que tinha ótima fixação em minha pele e cheiro sofisticado). Mas ele tem uma fórmula antiga e os últimos comentários que li sobre ele falavam que tinha um "cheiro velho". Na sua opinião, isso é preconceito (por ter sido criado há muitos anos atrás) ou realmente esse e outros perfumes antigos deixam a desejar comparados com os mais recentes?

    Beijos,

    Fabiana.

    ResponderExcluir
  4. Oi Fabiana. Não lembro exatamente da evolução, mas da sensação de perfume denso, carregado nos condimentos,ligeiramente apimentado.
    Sofisticado sim, com um ar vintage dos anos70/80. É um aroma quente, fundo amadeirado e herbáceo. As frutas iniciais não são cãndidas e doces, são picantes. O floral exibe certa doçura , mas não é um aroma que acompanhe os modismo atuais de frutados leves, almiscarados, abaunilhados.Garotas muito jovens provavelmente não gostarão, a não ser que gostem de ousar nos acessórios, sejam um tantinho exóticas.
    Mulheres maduras tem mais chances de apreciar porque habituaram com este tipo de aroma.
    Gosto do Quartz, é um clássico, mas considero o Modern Quartz mais aceitável pelo consumidor atual. Próximo das fragrãncias recém lançadas.
    Particularmente aprecio estes aromas "antigos" e penso que são chamados de "velhos" da mesma forma que os aquáticos e gourmands, uma febre mais recente, serão considerados daqui a uma ou duas décadas. É uma questão de modismo e um pouco de preconceito também.
    Para mim fragrâncias são fragrãncias. Não importa de que época venham podem ou não serem belas; podem ou não serem usáveis.
    Apesar de ter uma predileção pelos chypres e orientais intensos, que também são desta época.
    Beijocas

    ResponderExcluir
  5. Olá Alexandre. Pode ficar sossegado que almíscar atualmente só se for o produzido em laboratório ou ambrette que é obtido da semente de hibiscus. Beijocas de Elisabeth

    ResponderExcluir
  6. PS: Não publiquei seu comentário devido ao email citado.

    ResponderExcluir

Apreciarei sua opinião ou sugestão e tentarei responder as suas dúvidas!