Pin It button on image hover

quarta-feira, setembro 16, 2009

Mitsouko eau de parfum - Guerlain


Memoráveis fragrâncias são criadas em tempos difíceis quando conflitos armados rondam os povos.
Expressões artísticas imbuídas de sentimentos intensos refletem as emoções dos homens que tentam refúgio no conforto e equilíbrio do belo, quando existe o prenúncio ou a memória do caos.
Se a criatividade do ser humano é tolhida pelo cotidiano incerto, os que vivem pela arte se rebelam, e afirmam talento desafiando agruras, superando limites.
L'Heure Bleu ( 1912) e Mitsouko ( 1919) nasceram nos limiares da 1ª Grande Guerra Mundial pontuando seu início e término.
Ambos encerrados num frasco de igual design estabelecem uma linha que atravessa este hiato de desacerto entre os representantes da espécie intitulada racional.
Muitas histórias contam o desamor e o drama dos tempos de guerra e, uma inspirou o nome da belíssima fragrância Guerlain.
Mitsouko em japonês significa mistério! O perfume Mitsouko simboliza amor, na concepção determinada e nobre vivenciada pela doce heroína do romance La Bataille de Claude Ferrièrre.


Bela oriental, casada com almirante japonês , se apaixona por um oficial britânico e vive à espera do fim da guerra, dividida entre honra e paixão.
Apesar da admiração de Jacques Guerlain pela arte oriental, e toda simbologia inerente à sua concepção, o aroma de Mitsouko conserva uma elegância tipicamente parisiense que o caracterizou num dos chypres de maiores sucessos depois do marcante Chypre by Coty ( 1917).
Fruto da obsessão de Guerlain pela perfeição Mitsouko é a transmutação do perfume Coty para um aroma minuciosamente elaborado sobre pequena variedade de matéria prima, que encontra a beleza na forma equilibrada do seu blended .Citações da literatura contam que a criação do perfume ocorreu sobre 10 notas harmoniosas, sendo um dos primeiros da época a utilizar o acento sintético de pêssego - aldeído C14.
Evolução rica, que constitui experiência encantadora, inicia no acorde frutal floral, acompanhado de perto pelo aroma doce do que me parece ládano, desenvolvendo uma perfeita sinergia com a pele, em nota cálida e corporal.
Esta suavidade, ligeiramente polvorosa, acusa um bouquet delicado onde flores estão em velado mistério.


Rosas se escondem seguidas pelo séquito de tímidas acácias e ylang ylang.
As especiarias surgem valorosas alternando canela e picante cravo-da-índia sem atingir plenitude incômoda, permanecendo contidas pelo sempre presente acorde de ládano e benjoim, no rastro de cálida civeta .
Acrescenta-se um acento resinoso, beirando o canforado e lembrando bálsamo de tolu, que também denota presença de sutis patchuli e vetiver numa conjunção que reforça o animalic incensado, tônica de toda trajetória.
Doçura constante e enfumaçada, que empana a vocação chypre, traduzida em mistério oriental, onde musgos perdem a característica úmida aproximando-se dos acordes terrosos.
A cremosidade deste acento aveludado e pulsante acompanha a fragrância despertando atração e repulsa como no antagonismo que envolve seus componentes.
Ora doces e leves, ora especiarados e densos.
A base mantém constância nas madeiras incensadas, e docemente temperadas.


Comenta-se ser eau de parfum( edp) mais farto em musgo, mais caloroso que eau de toilette (edt), que apresenta limpidez e frescor característicos na adição de acordes cítricos.
De qualquer forma Mitsouko fascina, e apesar das mudanças ou perda de alguma pungência e vibração, presentes nas primeiras décadas de existência, considero um privilégio desfrutar deste aroma clássico, perpetuado de um século à outro.
Embora a sillage seja satisfatória a fixação é menos prolongada do que a esperada para tal composição. Pede reaplicação após 6 ou 7 horas quando fecha sobre a pele.
Recentemente(2009) o mercado recebeu uma edição limitada e comemorativa dos 90 anos de Mitsouko.
Encerrando um azulado perfume no frasco original surge Mitsouko Fleur de Lotus .
Será que este corresponde em atração e fantasia ?



Família Olfativa: Chypre frutal, 1919
Perfumista: Jacques Guerlain
Gênero: Feminino (compartilhável)
Rastro: Intenso
Fixação: Muito Boa
Pirâmide Olfativa:
  • Topo - Bergamota, tangerina, limão, pêssego, neroli
  • Coração - Pêssego, rosa damascena, ylang ylang, cravo da índia, jasmim
  • Base - Especiarias ( Canela), musgo (tree-moos), vetiver, benjoin madeiras


Jacques Guerlain
Perfumista como sua tia - Aimé Guerlain - filha do fundador da maison, Jacques Guerlain se destacou pelas fragrâncias misteriosas e intensas que produzia.
Extremamente perfeccionista buscava qualidade em todos os detalhes das suas criações, dedicando-se com igual ímpeto aos novos perfumes e ao aprimoramento de fragrâncias já existentes.
Assim lapidou o conceito de Chypre Coty transformando-o em Mitsouko.
Fascinado pela arte, música ( ópera) e Oriente, muitas das suas fragrância eram inspiradas no exotismo de costumes e aromas destas terras longíquas.
Deixou uma bela coleção e um preparado sucessor: O neto Jean Paul.

Criações Jacques Guerlain


Le Jardin de MonCuré-1895
Bon Vieux Temps -1901
Violette Madame -1901
Champs - Elysees - 1904
Mouchoir de Monsieur - 1904
Avril en Fleurs - 1905
Aprés L'Ondée -1906
Muguet - 1906
Chypre deParis - 1009
Quand Vient L'Étè - 1910
Kadine - 1911
L'Heure Bleu - 1912
Jasmiralda - 1917
Pois de Senteur - 1917
Mitsouko - 1919
Eau de Fleurs Cedrat -1920
Guerlinade - 1921
Rue de La Paix - 1922
Bouquet de Faunes - 1923
Ne M'Ou bliez Pas - 1923
Elixir - 1923
Shalimar - 1925
Jasmon - 1928
Liú - 1929
Guerlarose - 1930
Guerlilas - 1930
Vol de Nuit 1933
Véga -1936
Cachet jaune -1937
O de Guerlain - 1955

Vídeo:TV Commercial 1980s 
 

Imagens:Foto de Elisabeth Casagrande;   Publicidade Mitsouko e La Bataille; Composição de Mitsouko em frasco tester de Perfumes of Life; frasco vintage em idhunna live journal; Perfume bottle Mitsouko; Jacques Guerlain em seu laboratório de Bois de Jasmim.

11 comentários:

  1. Betita... que bela resenha!

    Sabe que eu me pergunto sobre certas coisas em relação a composição dos perfumes... se eles continuam iguais a quando foram lançados!?

    Muitos deles nos passam um sensação de pura nostalgia, principalmente estes quase centenários, quando a criação de uma fragrância não surgia em vão, mas continha em sí toda uma história de amor anunciado ou secreto, ou traição, ou uma homenagem a uma bela história ou uma guerra.

    Mitsouko é um perfume histórico, sendo como um monumento na história da perfumaria.
    A Guerlain, como uma Casa de nicho em perfumaria, já criou belíssimas obras.
    Shalimar é um ícone.
    Aprés l'ondée é um perfume lendário como N'Aimez que moi- Caron.
    E Jicky, que com 120 anos e apesar de ter passado por diversas modificações em sua composição (ainda que foi um dos primeiros perfumes a utilizar itens sintéticos em sua composição), continua com aquela mesma aura que ele deve ter tentado expressar em seu lançamento, que me passa a impressão de td ser baseado em segredos amorosos, que não eram permitidos de serem expressados naquela época.

    Td como se fosse uma mensagem subliminar que era condensado no nome do perfume.
    Imagine que Lanvin criou na década de 20 e 30 perfumes com os nomes de "Scandal", "My sin" e "Crescendo"...
    Logo na década de 50, Piguet lança a moda Bandit, que além de ser respaldado pelo perfume, ainda acompanhava um estilo chocante nos desfiles, com modelos c/ algemas, vendas nos olhos e arames farpados.

    Penso que Mitsouko, Jicky e outros perfuems de época tenham servido de total inspirações a perfumes mais recentes.
    E este "know-how" de como saber seduzir através do cheiro ainda se reflita fortemente nos dias de hoje, como cheiros que imitam secreções ou até perfume afrodisíacos.
    Desde Caléche, Fracas, passando por Femme de Rochas, Parfum Sacré, no recente Kingdom e até em griffes de langerie com forte apelo sedutor como Agent PRovocateur e La Perla.

    O perfumes foram, são e serão um conjunto de coisas, e não apenas um cheiro!
    São acompanhados de evolução, sensações, impressões, conhecimentos e principalmente: história!

    Obrigado por todo o conteúdo e conhecimento!
    B.jos querida!

    ResponderExcluir
  2. Então Pavel...perfumaria é refexo da civilização e cultura do homem.Das centenárias sobreviventes nós temos as antiquíssimas Santa Maria novella (1612), Galimard(1747),Houbigant (1775)Lubin (1798),Acca Kappa (1869),Guerlain (1828),Molinard (1849),Penhaligon (1872), Teo Cabanel(1890),Yardley, Avon (1886). Também não podemos esquecer a tradição de algumas joalherias e casas de acessórios,centenárias, que entraram na perfumaria algumas décadas depois de estabelecidas. Maubossin, Cartier, Prada..
    E ainda tem os inúmeros "novinhos" que só começaram pelos 1dos de 1900...1910.
    Muita história.
    Gostaria de ter provado todos estes perfumes,na época. Imagine o "frisson" quando um aroma diferente como o Chypre de Coty era lançado.Ou Cuir de Russie de Chanel. Que fizeram história, linhas olfativas.
    A gente vê os gourmand como novidade da última ou penúltima década e nos anos 20 havia Nirmala...
    Perfumes que nunca sairão de moda.Maravilhosos.nem com uma vida inteira se conhece tudo.
    Mas,daqui 20 anos estaremos mais sabidinhos.. kkk Beijocas.

    ResponderExcluir
  3. Pavel, creio que é difícil serem iguais aos de 80, 100 anos atrás.
    A matéria prima era outra. Mais compostos naturais do que o existente na atualidade.
    Não sou contra os artificiais, mas os laboratórios ainda não reproduzem a riqueza olfativa (e química) de óleos essenciais naturais. Existem detalhes e interações químicas desconhecidas ou difíceis de imitar.
    E a escassez de produtos acompanha restrições legais referindo-se à proteção de espécies (animais, vegetais) e à saúde (toxidez e alérgenos.
    Dá para ter uma idéia.Saber de verdade nunca, pq se sobreviveram amostras devem estar muito oxidadas... Beijocas

    ResponderExcluir
  4. Parabéns à Betty pela dedicação e estudo dos perfumes, sempre nos presenteando com informações e belas histórias.Parabéns à Pável por engrandecer ainda mais a resenha de Mitsouko com seus comentários.
    Confesso que meu amor por Mitsouko não foi imediato. Achei um perfume difícil a princípio. Desisti dele. Mas me surpreendi tempos depois ao descobrir que uma amostrinha que tinha provado e que me deixou maravilhada era nada mais que o Mitsouko, rejeitado tempos atrás(a tal amostrinha tinha a etiqueta manchada e ao prová-lo não tinha idéia de qual perfume era). Hoje tenho Mitsouko nas duas versões EDT e EDP. Acho que o EDT deixa realmente um pouquinho a desejar na fixação, mas o EDP fixa bem. O EDP como você disse Bete é realmente mais carregado no musgo e acho o EDT mais adocicado.Bem...sou fã dos dois!
    Beijocas!

    ResponderExcluir
  5. Oi Ro.
    Sabe que acontece com frequência comigo também!
    Não desprezo mais um perfume que desagrada no primeiro contato. Já fiz muito isto e depois voltei atrás.
    Alguns perfumes tem uma nota ínfima que nos desagrada, apesar de serem maravilhosos.
    E justamente este acento salta ao nariz quando experimentamos pela primeira vez. Numa segunda ou terceira oportunidade podemos perceber os outros acordes, a riqueza da composição.
    Gosto de Mitsouko. É um grande perfume.
    Obrigada pelos elogios. Eu é que tenho que agradecer os inúmeros perfumes que conheço graças ao nosso constante intercâmbio de decants. Beijocas

    ResponderExcluir
  6. GUERLAIN , FOI MEU AVÕ EM VIDAS PASSADAS !!!


    JULIA BRASIL .

    ResponderExcluir
  7. Oi Julia Brasil.
    As vezes eu sinto proximidade de alma e coração com estes artistas incríveis. Com certeza fruto do desejo de ter um vínculo com a sensibilidade destes perfumistas,com lugares mágicos como os jardins orientais, as plantações de rosas no Sul da França e o artesanal inspirador de Grasse.
    Ficaria bem feliz com um parentesco de 3º ou 4º grau...desde que estivesse no seio da perfumaria. Beijocas. Elisabeth

    ResponderExcluir
  8. OI!!!! Comprei um Mitsouko por admiraçao a J.J. Guerlain. Admiro os obstinados! Com vc aprendi que ele perseguia a perfeiçao, tentando superar-se sempre. Apesar de não ser da minnha família preferida, Mitsouko agradadou-me muitíssimo! Primeiro seu frasco retrô. Seu aroma tem aquele aspecto "datado" que me traz conforto. Talvez uma época onde seduzir não fosse uma obrigaçao para a mulher, mas uma consequencia natural de seu comportamento. Seu aroma é delicado pelas flores e inocentemente ousado pelas especiarias (ate eu consegui distingui-las!). Uma delícia! Como adquiri um edt, posso usar a qualquer hora do dia, até em Cuiabá - a cidade mais quente do país! Bjus Betty!

    ResponderExcluir
  9. Oi Lu. Que bom que você gostou e que poderá usar na sua cidade. Estes pefumes mais intensos ou densos necessitam cuidado, mas são cabíveis, principalmente no fim de tarde e noite.
    Mitsouko é especial. Parabéns! Uma bela aquisição.Beijocas. Elisabeth

    ResponderExcluir
  10. Mais uma linda resenha!

    Acabo de ler a resenha do L'Heure Bleue e vim ler também a de Mitsouko. Iniciando e fechando o ciclo, se podemos colocar assim. Li em outra resenha também que as rosas e o jasmim do Mitsouko já dão um tom aldeídico normalmente ao perfume, imagino que junto ao aldeído C14 deva ficar maravilhoso. Eis uma coisa que adoro no clássico Arpège de Lanvin: aldeídos com pêssegos, que talvez também viessem dos aldeídos.

    E acrescento aqui: Mitsouko definitivamente entrou para a wishlist.

    Beijos! Continue com as resenhas! :)

    ResponderExcluir
  11. Oi Gabriel. Obrigada novamente. Você está em outro clássico imperdível da perfumaria Guerlain. Tem assinatura esta maison! Ultimamente estou em falha com o blog. Uma fila imensa de bons perfumes esperando para serem descritos. Infelizmente atravessei alguns contratempos, motivos de saúde, mas estou retornando as atividades costumeiras encaixando 48h de atividades em dias de 24h...hehehe.E minhas resenhas consomem muito tempo, como tudo que se faz com carinho. Beijocas de Elisabeth

    ResponderExcluir

Apreciarei sua opinião ou sugestão e tentarei responder as suas dúvidas!