Pin It button on image hover

quarta-feira, agosto 05, 2009

Kenzo Pour Homme X L'Eau Par kenzo

Kenzo Homme

Forte determinado, enigmático e previsível parece ser o homem conceitual atrás das notas olfativas de Kenzo Homme.
Aparentemente inabalável e agreste como as notas extremamente picantes e amadeiradas que invadem desde os primeiros momentos.
Este aroma enigmático já foi comparado com salinidade marinha ou maresia, alimentos condimentados, artefatos de borracha...
Realmente existe uma singularidade quase inexplicável no seu cálido acento condimentado.
Um misto de ervas intensamente aromáticas, pimentas e flores, alternado com madeiras secas, raspantes como se respirássemos dentro de um local para corte ou serrilhamento de madeira recém abatida.
Pareceu-me sentir a poeira da madeira picante e seca, flutuando pelo ambiente.
O aroma de noz moscada irreverente, especiado, com alguma característica melífera, afirma a evolução na postura deste homem, que começa a demonstrar sensibilidade aliada à força.
O perfume flutua sem que percebamos pelo acorde seco e ozônico cujo frescor mentolado de tomilho se faz notar, temperado levemente pelos apimentados cravos-da-índia, quase indecifráveis, revelando apenas uma discreta provocação.
Esta faceta floral é aldeídica e faz aparições intensas, fulgurantes e fugazes.
Em total incoerência percebe-se nesta construção complexa um toque mentolado, um inesperado frescor que repudia o acalorado das pimentas.

Amadeirado sólido, presente desde o começo, na base expande-se em suavidade de almíscar e sândalo, recebendo entre as madeiras claras o frescor discreto de apimentados pinus e cedro.
Densidade madura e chypre da fragrância aparece através da contribuição mesclada de vetiver e musgo.
Desenrolar lento e duradouro para acompanhar um dia - ou noite - de atividades intensas, revestido de bem-estar, elegância e conforto.
O homem seco e direto do início revela discreta e doce sensibilidade no final.


Fotos: Publicidade- frasco Kenzo Pour Homme 2000; Madeira cortada- árvore de Walter Vanderley

Família Olfativa : Aquático Aromático,1991
Perfumista:Christian Mathieu
Pirâmide olfativa:

  • Topo - Sálvia dos jardins, limão tangerina, pau-rosa
  • Coração - Noz moscada, cravo, lírio, rosa, tomilho, jasmim, iodine, juniper, orris,
  • Base - Madeira de cedro, sândalo, abeto balsâmico, musgo de carvalho, vetiver, almíscar
Christian  Mathieu
Além de kenzo Pour Homme este nez é responsável pelas criações de:Jacomo de Jacomo Him e kenzo Parfum d'Ete aromático feminino


Arte Irmã no vídeo  :Forever - Chris Brown


L'eau Par Kenzo


Contemporâneo, refrescante e amadeirado, descontraído e doce. O homem kenzo soma gentileza aos acentos aromáticos que são características marcantes desta perfumaria.
Urbanidade que se expressa na flexibilidade andrógina de sociedade moderna, onde homens e mulheres compartilham e mesclam notas melíferas e aromáticas, nos seu perfumes signature.
L'Eau Kenzo abre-se num leque inebriante sem medo de ser feliz, atingido pela brisa fresca, cítrica e aromática.
Não promete doçura neste começo agreste e agudo onde podemos sentir o aroma fresco e intenso de legumes recém cortados, verdolengos, como se algum chef du cuisine estivesse picando ervas e legumes, embebendo-as de temperos apimentados.
Enganosa premissa.
Esta brevidade dos acordes de topo tranforma-se num evoluir lento entre flores delicadas, especiarias intensas e madeiras.
Uma fase de picante seco e intenso que lembra algo do polvoroso raspante e apimentado, em controvésia com toques de menta, existente em Kenzo Homme.
Percebe-se lugar comum na matéria prima embora L'Eau tenha saída mais cítrica, evolução e finalização mais doce.

Chega ao grand finale e submerge... no duelo entre bambus verdes e flexíveis que curvam seu frescor perante a baunilha constituindo delicado e oriental agridoce.
A quase agressividade do início revela a doçura e submissão da intimidade.
O frescor de L'Eau Par kenzo é temperado e não vem da água mas dos sumarentos frutos verdes.
Arranjo olfativo harmonioso, boa fixação, sem dúvida com o passar dos anos, atingirá o status de perfumaria clássica, característica dos anos 90, uma época de acordes etéreos e abstratos onde reinaram perfumes como Acqua di Gió, L'Eau D'Issey e Polo Blue.


Fotos: Publicidade - frasco de L'Eau Par Kenzo

Família Olfativa: Floral Aquático, 1996
Perfumista: Olivier Cresp
Pirâmide olfativa:

  • Topo - Lilases, tangerina, hortelã, bambu
  • Coração - Violeta, pimenta, lírio d'água (lótus), amarilis, rosa
  • Base - Baunilha , cedro


Arte Irmã:  
Na poesia


Canção de Barco e de Olvido - Mário Quintana

Não quero a negra desnuda
Não quero o baú do morto.
Eu quero o mapa das nuvens
E um barco bem vagaroso.

Ai esquinas esquecidas...
Ai lampiões de fins de linha...
Quem me abana das antigas
Janelas de guilhotina

Que eu vou passando e passando.
Como em busca de outros ares...
Sempre de barco passando,
Cantando os meus quintanares...
No mesmo instante olvidando
Tudo o de que te lembrares

6 comentários:

  1. Oi Betinha!!^^
    Tive a oportunidade de experimentar este Kenzo recentemente.
    Lembro dele de quando tinha uns 11 anos, e fui numa perfumaria comprar um presente p/ o aniversário de uma amiga. Era tão bobo... comprei um Laguna p/ ela.

    O fato é que tinha curiosidade por este Kenzo desde esta época, e quando o provei, tive uma porção de sensações.
    A começar pelo frasco, que me parece um pedaço de bamboo, talvez p/ assimilar á tradições e simbologia japonesa.
    O perfume em sí me pareceu muito conceitual, porém, fácil de usar.
    As notas de saída são sólidas e salgadas. Há realmente uma nota marinha nele, como se fosse água do mar, maresia ou algo assim. Algumas pessoas dirão que parece plástico ou algo comestível.
    Um perfume que me pareceu litorâneo. Me fez lembrar as noites de Carnaval a beira da orla em Peruíbe/ SP.

    Em sua base, sinto algo floral, o vetiver e o musgo é sempre presente e não me causou estranhesa como no Kenzo Air, que combina anis e vetiver em "overdose".
    É a fase que mais gosto, a base.
    Fresca, simples, agridoce e duradoura.

    É um perfume diferente e que fixa bem.
    Mas não faz o meu estilo.
    Talvez não agrade a todos, e causaria estranhesa na minha pessoa. Não me sentiria confortável usando, pois sinto falta de baunilha e da calidez do âmbar ou almíscar.
    No geral, ´um perfume comtemporâneo, e que com certeza, se tornará um clássico.
    ^^

    ResponderExcluir
  2. Oi Pavel. O Laguna é um perfume agradável, mas tão fácil de encontrar e em bom preço que caiu no conceito"popular".
    Gosto muito do Kenzo apesar de não ter preferência pelos florais aquáticos.Este é tão harmonioso! Não sinto a nota estranha. E fico encantada com o acorde doce da saída. Penso que o acorde aromático está na dose certa para encobrir os exageros das notas ozônicas. E a base é tão persistente...deliciosa. Um perfume de qualidade excelente. Mas levou 4 selinhos na minha predileção pessoal pelo fato de ser aquático.
    Talvez você goste mais do próximo. Um amadeirado dos antigos... Beijocas . Betty

    ResponderExcluir
  3. Oi Beth!

    Nunca provei o L'Eau par Kenzo, mas tenho o Shampoo e o Baume aprés raspage dele.
    E posso dizer, que é um perfume extremamente revigorante e fresco.
    Não imagina como é bom sentí-lo durante e após o banho. Faria par perfeito se logo fosse apliado o Eau de Toilette.
    Não tem os ares soapy, mas tem um cheiro de banho, verão, sol, piscina...
    Delicioso e diferente!
    Preciso provar o perfume...!

    B.joka

    ResponderExcluir
  4. Oi Pavel .
    Então L'Eau seria perfeito perfeito! Apesar de não ser da minha família olfativa preferida ele é muito bom. E tem algumas notas no coração que lembram o Kenzo Homme. Como se fosse uma edição suavizada com a somatória de acordes refrescantes.
    São dois perfumes de excelente qualidade, entretanto pessoalmente minha preferência fica com Kenzo Homme.Perfumão.Beijocas

    ResponderExcluir
  5. Oi, alguem conhece um similar ao Ramage da Natura q saiu de linha?????

    ResponderExcluir
  6. Oi Lucia. F
    lor, no momento não consigo relacionar nenhum com o L'Eau feminino a não ser Sea & Sun in Cadaquès que é da grife Salvador Dali. Faz o mesmo estilo, é possível que você goste e a relação custo/benefício é ótima.
    Assim que achar referências coloco na resenha.Sorry.
    Muito obrigada pela visita e pela gentileza do comentário. beijocas de Elisabeth

    ResponderExcluir

Apreciarei sua opinião ou sugestão e tentarei responder as suas dúvidas!