Pin It button on image hover

quinta-feira, agosto 06, 2009

Drakkair Noir - Guy Laroche

O atemporal, sombrio e sedutor Drakkar Noir by Guy Laroche encontra sua força em madeiras, couro e doçura.
Assim como heróis históricos ou mitológicos, motivados pelo patriotismo, amor ou ódio superavam suas fraquezas para ultrapassar obstáculos, este perfume atravessa o tempo, desde o princípio dos anos 80, mantendo o mesmo fascínio sobre homens e mulheres.
Arrebatador a partir do início agreste que indica poutpourri de ervas aromáticas e frescas, incluindo a presença das madeiras e resinas, sua sillage poderosa máscula e sensual denuncia o espírito forte e dominante, representando uma era de aromas que aliam masculina impetuosidade com a refrescância da Natureza de florestas insondáveis, caminhos não percorridos...

As notas picantes de artemísia, o frescor de alfavaca, lavanda e flores doces em harmoniosa interação com cravo e canela resultam num bouquet aromático e elegante. Destaca-se ainda o leve e balsâmico aroma dos pinus e abetos.
Cedro e musgo da base garantem as características clássicas de fougere aromático.
Banalizado pelas fórmulas repetitivas a assolar o mercado, caiu em declínio de preferência, atingindo um quase anonimato entre usuários mais jovens. Entretanto, não se pode negar a atração sofisticada e urbana dos seus acentos intensos, aldeídicos que ressaltam as folhas resinas e madeiras.
Todo este ardor clássico é balanceado pela aura crescente de almíscar e sândalo, pela cremosidade das notas de couro, que garantem acetinada suavidade no drydown prolongado.
Fragrância de composição densa, que impressiona os sentidos, fascina e transmite uma pungência masculina poucas vezes encontrada nas criações subsequentes, aeradas ou melíferas.

Talvez para alguns peque pelo excesso, embora outros contemporâneos sejam mais contundentes, diria beirando a rudeza.
Na minha percepção, mesmo imitado em verso e prosa, ainda é atraente, masculino, sensual e poderoso.
Intenso, controvertido nas preferências, é o típico aroma "ame ou odeie", não permitindo posturas indiferentes.



Família Olfativa: Fougere Aromático,1982
Perfumista:Pierre Warqnye
Gênero: Masculino
Rastro: Intenso
Fixação: Ótima
Pirâmide Olfativa:
  • Topo - Artemísia, lavanda, alfavaca, verbena, tangerina, limão
  • Coração - Coentro, cravo, canela, zimbro, jasmim, angélica ou jacinto-da-índia
  • Base - Couro, madeira de sândalo, abeto balsâmico, âmbar, patchuli, musgo de carvalho, vetiver, cedro.



Arte Irmã
Perfumaria um personagem ...
Vídeo: Honnor - Gladiator soundtrack- Techno remix

2 comentários:

  1. Hoje, nas dicas de um perfume que pedi no Facebook, você fez a associação do Ted Lapidus e o Drakkar Noir... Acho que o Lapidus ganhou um abacaxi mais suculento, que tira um pouco do ardido fougere, resultado de alguma reformulação recente. No Drakkar sinto muito pinho, mais "aberto" e ardido. Uma coisa comum a ambos: são poderosos e marcantes! Adorei a resenha e a escolha do personagem! Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Oi Priscila. Talvez tenha ocorrido uma reformulação, pois a lembrança que tenho de Lapidus é de anos passados. O próprio Drakkar Noir quando fez sucesso nos anos oitenta era um fougere aromático carregado no aroma terroso e verde. Não lembro desta doçura frutada de Lapidus, mas a memória prega peças...heheheh. Beijocas de Elisabeth

    ResponderExcluir

Apreciarei sua opinião ou sugestão e tentarei responder as suas dúvidas!