Pin It button on image hover

sexta-feira, abril 24, 2009

Aimez Moi eau de toilette - Parfums Caron


São estranhos os caminhos do pensamento humano.
Oscilava entre Oxygene e Monsieur de Givenchy numa geminiana indecisão entre o perfume agradável, conhecido e a atração do recém experimentado, quando inexplicavelmente assomou à lembrança um aroma da casa Caron.
E chegou claramente associado as cenas de uma memorável e muito antiga comédia, dirigida pela maestria de Zefirelli, e produzida nos anos 60.
Mais precisamente 1967.
Engraçados os meandros da nossa mente, pois Aimez Moi nem havia me encantado! Na verdade a primeira impressão foi de leve desgosto.

Mesmo sendo um presente querido o que predispõem à avaliação tendenciosa e positiva.
Porém, aprendi a desconfiar dos meus breves desgostos. Avalio melhor estes aromas a que resisto. Entre outras coisas a que resisto na vida.
As vezes são frutos de uma estranha rebeldia que comanda meus impulsos. Um "animus contraditorius" que faz até inventar palavras. Não me surpreendem tanto.
Lá estavam na minha memória em rápidos flashs o chauvinista Petruchio e a rebelde Katharina, engalfinhados na sua luta romântica, engraçada e moderna apesar de todo contexto de antiguidade.


Surpreendentemente deparo-me com um Aimez Moi delicioso, encaixado no cenário. Passo a vê-lo com outra perspectiva.
Definitivamente olho para o perfume. Sinto seu aroma medieval, limpo, anisado e campestre.
Inexplicável.
O frasco é o mesmo, a composição idem, e pela lógica, deveria estar ligeiramente oxidado.
Entretanto revelou-se perfeito para a forte impressão olfativa que Taming of the Shren (A Megera Domada) deixou na minha memória.
Percepções sensoriais marcam de forma indelével.
Este é um filme que percorre as gamas do amarelo, vermelho e marrom. Cores quentes acompanhadas pelo sons do campo, dos quintais, das cítaras e de cigarras cantando.
Faz sol na comédia de Shakespeare.
E rescende a Aimez Moi. Inegavelmente.
O acorde de saída é picante, temperado como Katharina e Petruchio medindo forças. Frescor e cítrica acidez são cedidos pela tangerina e cardamomo.

Odor acre que permite entrever deliciosas flores. Doçura vibrante e íntima da mulher prestes a ser conquistada, pressentindo entrega de corpo e alma.
Percebe-se a plenitude desta personagem lindamente representada na beleza e talento da diva Lyz Taylor.
Feminilidade realçada pelo contraste másculo, quente e sedutor das especiarias. O talento de Richard Burton.
Homem, aparentemente rude trazendo um aroma saudável, campestre de plantas secando amarelas, ao sol.
Odor de palha, limpa e seca. Aqui também existem raízes e madeiras. Uma natureza simples e vigorosa.
Desprovida de sofisticação urbana, mas não de diversidade, pois o aroma rico oscila entre notas como numa escala musical.
Para percebê-lo totalmente é preciso apurar o olfato, aguçar a sensibilidade.
Também aqui o final é feliz. Um perfeito equilibrio entre a rudeza e a gentileza.
Encontram-se em entendimento os dois amantes, conquistados, cada um absorvendo e polindo asperezas do outro.


Só poderia resultar numa fragrância docemente amadeirada e ambarada.
De baunilha natural, saída diretamente dos potes de argila, da cozinha fresca e agradável desta casa de campo.
Aimez moi está marcado para mim como a incrível e deliciosa comédia Shakesperiana.
Simples e naturalmente equilibrado em elegância interiorana direto do século XVI.


Família Olfativa: Oriental Floral, 1996
Perfumista: Dominique Ropion
Pirâmide Olfativa:
  • Topo - Tangerina, anis, hortelã, cardamomo, cominho
  • Coração - Violeta, magnólia, jasmim, rosa
  • Base - Rizoma de íris, baunilha, heliotrope, bálsamo de tolu

Vai ao Shopping? Confiras preços e marcas nas boas lojas que abrem suas portas em Perfume Bighouse 

Arte Irmã: Na sétima arte  e literatura...
Vídeo: The Taming of The Shrew- Petruchio meets Kahtarina



Imagem: Publicidade Aimez Moi de Enjoei P; Fotos oficiais da filmografia de Franco Zefirelli; A Harvest Field Near Ashburton de Edmond Warren, banner publicitário Aimez Moi.

quinta-feira, abril 23, 2009

Amoureuse eau de parfum - Parfums DelRae

ESPÍRITO DA FRAGRÂNCIA
Suave carícia do princípio ao fim.
Envolvente e doce, sua força revelada no aroma cálido como se fosse a brisa leve das noites quentes do verão.
Tepidez envolvente, insidiosa e doce.
Um entorpecer dos sentidos mesclando flores e especiarias em acorde onde a suavidade é quebrada pelo picante, provável combinação entre cardamomo e tangerina.
A sensação é de embriaguez sensual, morna, sedutora, embora por trás de toda atração do mel esteja um acorde fresco e limpo, como o cheiro de banho recém tomado, de pele ainda úmida, pelo contato com a água.
É perfume de jovem feminilidade, do frescor das frutas quase maduras, da ingenuidade e coqueteria de flores entreabrindo.Delicado e acariciante, quase malícia.

SENSAÇÂO OLFATIVA
As flores são deliciosamente camufladas na intensidade doce, porém aspiramos um jasmim de
sofisticada suavidade,  entremeado pela sugestão do jacinto-da-índia,  como é conhecida entre nós a Polianthes tuberosa. Ou simplesmente angélica-do-jardim
A medida que evolui esta sensação inicial de doce temperado é substituída, vagarosamente, pela languidez do almíscar e acetinado do sândalo.
Em parte, pois o toque mordaz ( seria gengibre?) que reprime os excesso desta fragrância melíflua é constante.
Percebemos na construção do aroma oposição muito interessante, que faz sentir frescor e calor ao mesmo tempo.
Aroma herbáceo delicado soma-se as notas amadeiradas. Notam-se o musgo, cedro e seiva verde num equilíbrio que assegura harmonia com a marcante doçura do mel.
Este equilíbrio constante do começo ao fim está sempre amparado pelo fragrante, mas delicado herbal e o antagonismo confere uma singular leveza aos intensos acordes, aparando arestas lapidando até atingir brilho homogêneo.
Amoureuse não peca por excesso em nenhum momento mantendo-se atraente na sua moderada sensualidade, por este motivo encantadora.

Existe um limiar tênue entre o sexy e o vulgar. Amoureuse é extremamente competente neste assunto.
Atrai e seduz com classe e elegância.
Adoça mansamente, enlaça sem que percebamos. Quando  nos damos conta  estamos irremediavelmente  conquistados.
Doce mel.

FICHA TÉCNICA
Família: Floral, 2006
Gênero: Feminino (compartilhável)
Perfumista Michel Roudnitska
Rastro: Intenso a moderado
Fixação: Muito boa
Pirâmide Olfativa:
  • Topo - Tangerina, cardamomo.
  • Coração: Angelica francesa (tuberosa), jasmim,  lírio do Tahiti, gengibre.
  • Base: Cedro, musgo, madeira de sândalo, mel.
Arte Irmã: Inspire-se na  música L'amour interpretada por Carla Bruni


Imagens: Banner de publicidade em Parfums DelRae; Fairy de baratosecret.blogspot;  Escultura de Albert Martins.
E-commerce- Parfums DelRae e L'atelier Parfumé 

sexta-feira, abril 17, 2009

Eau Parfumée au Thè Rouge - Bvlgari


ESPÍRITO DA FRAGRÂNCIA
Ei você!
Está num daqueles momentos em que o mundo saltita colorido, passarinhos trililam despreocupados enquanto existe uma nuvem ao seu redor com direito a relâmpagos e trovoadas?
Eu conheço! Já vi esta bruma cinza a minha volta.
Entretanto, se for uma nuvem leve, nevoeiro denso e depressivo tenho uma sugestão...
Espreguice todos os músculos do corpo ( finja que é feriado) demoradamente.
Respire, respire e respire.
Nós ainda temos oxigênio e faz bem!
Depois de um banho quente e relaxante faça uma refeição majestosa.


Esqueça o politicamente correto pão de centeio e morda com vontade um delicioso pãozinho branco, macio coberto com geleia de cranberry, damasco ou doce de abóbora. Use a fruta que te faz feliz.
Solicite a companhia de uma xícara fumegante de chocolate quente, com baunilha,  chá de hibiscus bem vermelho, ou aromático café pretinho!
Não perdoe os ultra calóricos e irresistíveis biscoitos amanteigados.
Capriche na maquiagem como se fosse ao primeiro encontro. Coloque-se no salto e vista algo rosa, bem meigo, ou um vermelho flamejante. Esqueça a coisa azul. É encontro não casamento.
E perfume-se!
Com aquele aroma que parece um abraço carinhoso. Que dá a sensação de aconchego.
Mau humor é uma criança caprichosa, quase mimada. Há de se ter pulso para contê-la e imaginação para que se distraia.
E, como dizia Nietzsche - " Ama a vida; enfrente-a, porque, boa ou má não temos outra."

PERCEPÇÃO PESSOAL


Procurando conforto sempre penso em Eau Parfumee au The Rouge e seu delicado exotismo.
Tal impressão vem nas primeiras notas docemente apimentadas compondo blended junto ao herbáceo amadeirado dos chás vermelhos, chineses e africanos.
Esta mistura cálida aquece os sentidos sem perturbações térmicas. Cai bem do verão ao inverno.
Acordes preguiçosamente sensuais, sedosos e macios como os movimentos de um gato. mansamente felino.
Citam-se figos, presentes em parceria perfeita nos acordes amadeirados. Aliás figos carregam no odor e sabor algo das madeiras nobres.
Toda evolução deste perfume evoca delícias e carinho confortador; principalmente o aroma de chás e sua conotação psicológica de alívio, receita materna infalível para males do corpo e desatinos da alma.

Chá denso, vermelho, em mergulho profundo e balsâmico.
Não é de remédio seu sabor oriental sutilmente almiscarado, mas de satisfeito relaxamento, entrega ao prazer, carícia para os sentidos.
Transmite alegria quieta, prazerosa, tão persistente quanto seu aroma.
Use Thè Rouge, espante as nuvens e divirta-se.

PRÓS E CONTRAS
Amo aromas verdes, herbais, amadeirados carregando alguma doçura. Cheiros de mato não tem contras na minha percepção. Porém devem ser múltiplos para quem não aprecia o estilo.

SIMILARIDADES OLFATIVAS
Não me ocorre aroma semelhante. dentre os perfumes que conheço é único. Entretanto A Tather Novel Collection cape of good Hope de Claude Dir Anthropologie é floral de gardênia com  Roiboos chá e limão amalfitano. Mandarin Tea Love &Toast de Love & Toast  também promete ser uma fragrância rica no floral de laranjeira com acentos de roiboos chá. Boa pedida para uma experiência no escuro.


FICHA TÉCNICA
Família Olfativa: Oriental amadeirado, 2006
Gênero: Feminino  (compartilhável)
Perfumista: Olivier Polge
Designer: Bvlgari
Rastro: Intenso
Fixação: Muito Boa
Pirâmide Olfativa:
  • Topo - Aroeira ou pimenta-rosa, laranja, bergamota.
  • Coração -Chá vermelho Roiboos, chá vermelho Yunnan, polpa de figo
  • Base - Nozes, almíscar, notas balsâmicas.
Classificação:

Arte Irmã: Se fosse um desenho animado seria  o maroto TOM &JERRY - Rapsódia Húngara Nº2 - Liszt, Chopin Prelude 24


Imagens: Vidro de Eau parfumée Thè rouge - photo Elisabeth Casagrande; Pão com leite condensado-Pinterest; Cat de cat a girls right to dream tumblr; Roiboos African Red Tea de tea-first.com;

domingo, abril 12, 2009

Emotionnelle - Parfums DelRae



Emocional, diria mesmo que provocativo de emoções conflitantes.
Instigante, diferente, um aroma original a sacudir a perfumaria deste ocasional marasmo criativo que ciclicamente sufoca todas as artes.
De início pensei que seria este um perfume impossível de ignorar, capaz de impressionar vivamente, seja no despertar de amor ou ódio. Ainda penso assim e, complemento- existe contraste intenso na sua mensagem...
Entretanto, não poderia supor que esta oscilação emotiva alcançar-me-ia toda num mesmo dia.
Travei uma luta com Emotionnelle, onde algumas vezes rendi-me à sua doçura enigmática e noutras recuei da construção imprevisível para finalmente ceder ao incitamento da curiosidade.
Trata-se de um perfume que solicita a convivência a fim de sondar seus mistérios, interpretar as oscilações olfativas.
Emotionnelle... tão apropriado pois é difícil traduzir seu caleidoscópio em palavras. Mais fácil senti-lo.


Dualidade talvez seja uma palavra que também possa exprimir sua essência, seu caráter enigmático em aparente simplicidade.
Moderno e arrojado, num átimo revela classicismo surpreendente.
Seu doce amargo traz uma pungência estranha, mistura de frutas e flores de forma tão coesa que dificulta o estabelecimento de limites.
Percebo nisto uma assinatura, um estilo, pois estou a repetir palavras já ditas e sensações já sentidas.
Criado sobre conceito pretendido pela Maison DelRae, de reproduzir sensações provocadas pela mágica Paris, parece-me uma suave provocação a testar-nos a percepção .
Ou seria o culminar de um conceito cultivado no decorrer dos anos na procura do inovar, finalmente encontrando o tema que o libertou para o voo?
Comparam-no em notas frutadas, mas não em resultado sensorial (pois é consenso que existe personalidade própria), ao Parfum de Thereze, que Edmond Roudnistka concebeu exclusivamente para sua esposa.
Inevitável paralelo quando se trata de concepções feitas por duas capacidades criativas intimamente ligadas pela genética da espécie.


Creio que, como citado por alguns autores, a presença de melão nas notas iniciais e, de ameixa no coração, deva ser uma reverência à esta primeira concepção, certamente primorosa.
Um tributo que se revela na elaboração de nova partitura com as mesmas notas .
O dual perceptivo posiciona-se também na evolução da fragrância que nos faz oscilar entre um frescor herbáceo e calor condimentado.
Evolução caprichosa mostrando desde a saída notas de melão não aquáticas, realmente não aquáticas, porém densas, suculentas e deliciosas.
Inusitadas, a provocar uma sensação gustativa intensa, de fruta tropical. De dar "água na boca".
De verde intenso, a brisa refrescante é herbácea, como o sumo das folhas de violetas quando partidas ou amassadas.
O aspecto gourmand do perfume, apresenta sua doçura de frutas maduras, pontilhada pelos cítricos que não se revelam totalmente, contudo emprestam seu caráter ácido.
Pirâmide olfativa aponta para bouquet floral privilegiando  jasmim e violetas.
Percebo-o em intensidade fugaz, pois brevemente diminui seu ímpeto, cedendo a preferência para notas cálidas e espessas da base, embora flores e frutas persistam fiéis, teimosamente presentes até os últimos acordes.


Não sinto vivamente cravos, tampouco sinto mel ou couro, porém percebo acorde híbrido conduzindo à doce apimentado, imerso em nuances cremosas e aconchegantes .
Nota-se que as especiarias crescem. Estiveram surdas e discretas mas com o amansar de outras presenças afloram em magnitude.
Picante miscível com o resinoso e terroso caráter de vetiver, talvez um frescor de cedro, quase mensagem subliminar.
Igualmente o comportamento é dual, pois existe um contraponto entre aspecto metálico lancinante e um condimentado provocativo.
Contrastando com luminosidade vibrante do começo ocorre no final uma penumbra soturna e madura que acolhe, dá um sentido de profundidade, como se tivéssemos agitado águas calmas e tranformado o torvelinho que borbulhou em densa e leitosa correnteza, trazendo o leito à superfície .
Surpreendeu-me, conquistou-me e algumas vezes ainda resisto-lhe.




TRADUCTION
:
Emotionnelle, je dirais qu'il amène un conflit d'émotions.
Instigant, different, il est l'un des premiers odeurs à secouer le domaine de création de l'industrie du parfum, un tremblement que les autres branches de l'art ont souvent besoin.
Au début, je pensais que ce serait um parfum qui serait impossible à ignorer, et pourrait avoir une vivant impression entre l'amour et la haine.
J'encore pense que oui, mais je ajouter qu'il existe un contraste intense dans son message. Toutefois, je ne pouvais pas penser que cette oscillation émotionelle pouvait me rejoindre dans la même journée.
J'ai mené une bataille contre Emotionnelle et, en certaines occasions, j'ai mis moi-même dans son ènigmatic douceur et à d'autres moments jai retiré de l'elaboration imprévisible et je suis de retour à être curieuse.
Il s'agit d'un parfum qui demande un temps ensemble pour montrer ses mystères et ses variations d'odeur.
Emotionnelle...c'est un bon nome, car il est difficile de décrire en mots la manière dont il est complexe. Il est beacoup plus facile de le sentir.
Peut-être que l'on peut utiliser le mot dualité pour décrire son essence et le caractère ènigmatique de manière simple.
Étant moderne et audacieux, il montre dans un seconde son étonnant classicisme.
Son odeur douce-amerè apporte une poignant étrange, un mélange de fruits et de fleurs. Il est livré dans une telle voie ètroite qu'il devient difficile de fixer des limits.
Je remarque une signature et un style dans ce domaine. Je viens de répéter des mots et des sensations.
Il a étré créé sur un concept de Maison DelRae. L'intention était de reproduire les sensations de la magie de Paris. Il me semble une douce provocation à notre perceptíon.
Ou serait-il le sommet d'un concept qui a été cultivé au cours des années afin d'innover? At-il enfin trouvé le thème qui libéra à voler?
Il a été comparé à ses notes de fruis, mais pas dans les résultats sensorielle (on sait qu'il y a une personnalité propre ) au Parfum de Thereze qui Edmond Roudnitska a élaboré exclusivament à son épouse.
Il s'agit d'une comparaison inévitable lorsque l'on parle de la conception de deux capacités créatrices liées à la génétique de l'espèce.
Je crois, comme d'autres auteurs l'ont dit, que la présence de melon dans les premières notes et de prune dans le coeur doit etre une révérence à cette première conception, de première classe, bien sûr.
Un hommage que se réjouit lui-même dans l'élaboration d'une nouvelle partition avec la même note.
La double perception est aussi dans l'évolution du parfum qui nous fait osciller à partir d'une base fraîche de plantes et d'une chaleur d'épices.
Il s'agit d'une évolution élaborée qui montre notes de melon depuis le début. Les notes nes sont pas liquides, mais denses, juteuses et délicieuses.
Notes surprenantes, qui apportent une intense expérience, avec la remplissage de la bouche avec de la saveur.
D'un vert profond, la brise rafraîchissante de plantes, comme le jus de feuilles de violette brisés.
L'aspect gourmand du parfum apporte la douceur de fruits mûrs avec des notes citriques qui ne présentent pas elles-mêmes immédiatement. Toutefois, elles donnent à l'ensemble de leur teneur acide.
La pyramide de l'odeur conduit le bouquet floral avec une attention particulière à jasmin et de violett.
Je le remarque dans son intensité fugace, car il perd vite sa force, donnant l'espace à l'accueil
aux notes de base chaleur esses et denses. Les arômes de fruits et de fleurs sont toujour là, cependant, obstinément jusqu'au dernier des accords.
Je ne sens pas clairement le de girofle ou du miel et du cuir, mais je remarque l'ybride accord d'épicée douces, plongé dans la crème et rapprochegnant nuances .
On peut remarquer que les épices deviennentlus forts. Elles étaient silencieuses et discrètes, mais quand les autres notes s'affaiblissent, elle se montrent dans toute leur puissance.
La note épicée mélange avec de la résine et de la terre, comme le caractère de vétiver,
peut-être une fraîcheur de cédre, près d'un message subliminal.
Le comportement est égalament double, car il existe une contrepoint entre la forte métalliques et l'aspect épicée provocateur.
Ça donne une idée de la profondeur a ápartir d'un contraste entre la luminosité dynamique au début et à la profonde ombre de la maturité , comme si nous avions encore perturbé l'eau et le tourbillon a été transformé en flux dense et laiteux.
Il m'a surpris et conquist et, parfois, je continue de le résister.


Tradução: Alexandre Bohn /Curitiba-PR Brasil

Ficha Técnica

Família olfativa: Floral frutal, 2000
Perfumista: Michel Roudnitska
Gênero: Unissex
Rastro: Intenso
Fixação: Muito boa
Pirâmide Olfativa:
  • Topo- Melão, tangerina, bergamota
  • Coração- Folhas de violetas, jasmim, rosa, íris, ameixa
  • Base- Cedro, vetiver, cravo, ládano, mel, âmbar

Parfums DelRae

DelRae Roth, de São francisco, iniciou carreira no designer gráfico para clientes de imagens. Atuou na grife internacional Esprit em gerenciamento de estúdio de projetos e direção de arte, entre 1984 e 1991.
Parfums DelRae criado em 2000, resulta da união entre a paixão pelo designer e perfumaria, cujos estudos aliados a sensibilidade pessoal, tem sido desenvolvidos há anos.
Na colaboração do nez Michel Roudnitska, os perfumes elaborados no Sul da França, com matéria prima natural e de rara qualidade, alcançaram rapidamente qualificação internacional no mercado niche
O envasamento, nos frascos elegantes em fino cristal, igualmente acontece na Europa.

Arte Irmã na música: The Family Way-Love in the Open Air - Paul McCartney


Imagens:Emotionnelle-publicidade, Snowstorm de J.M.W. Turner, 1842, Violet leaves  de Christi-Craft -Art; Sublimate de Michel Roudnitska,

sexta-feira, abril 10, 2009

Bois de Paradis - Parfum Signature


- Quando recebi as amostras  das criações de Michel Roudnitska não imaginava que me apaixonaria por um dos perfumes, nem que Roudnistka se tornaria meu perfumista predileto. Apesar de ser apontado como um dos maiores da França, artista multifuncional e talentoso.
Bois de Paradis insinuou-se no lugar do saudoso Mystere de Rochas, que representou minha essência entre os 20 e 30 anos de idade. Infelizmente descontinuado.
Parece que amar fragrancias difíceis e raras é meu karma. Este da Parfums DelRae  não encontro no Brasil, somente em raras lojas de nicho, internacionais. 
Fazer o que... meu nariz gosta de muitos , mas ama raramente.

Il Doce farniente é feito de pequenos prazeres.
Como abrir um livro. Sentir o delicioso aroma das páginas sejam novas ou não.
Tanto encanta o frescor da celulose recém transformada e tingida, quanto a doçura de pétalas secas ou um residual odor de armários, em nobres madeiras.
Frente a uma lareira, no decair de um dia outonal, talvez com uma janela voltada para o poente, deixando entrever a silhueta de frondosas árvores elegantemente recortadas, vultos quase severos a contrastar com a vivacidade colorida do crepúsculo.
Tal ambiente, assim acolhedor, merece um quente e doce chá de rosas, quem sabe um cognac cálido ao calor de mãos.
Com certeza cabe música ao fundo e perfume. Doce mas não tanto. Confortável. Instigante o suficiente para afastar o sono, permitindo a apreciação da noite próxima.
Sinto esta lânguidez aconchegante em Bois de Paradis, cuja construção é rica o bastante para surpreender-me, ocasionalmente, com uma nota antes não percebida.


Quando chegou a mim, avidamente aspirei o perfume no frasco. Pecado gravíssimo... porém sem culpa.
E, o aroma de especiarias invadiu-me de tal forma, que passados momentos, volatilizadas as notas, ainda estava presente na memória.
Acredito que meu olfato selecione antes de tudo as especiarias, principalmente notas quentes e doces que lembram canela.
Foi esta a prima impressão a encobrir as outras, advindas posteriormente.
Mas é surpreendente o que sucessivas percepções sensoriais causam.


Numa segunda experiência, desta vez na pele veio o cítrico, imerso de maneira persistente em outras notas .
Pareceu-me também o destampar de um precioso pote de porcelana daqueles que guardam displicentemente vários condimentos.
Passado o tempo mesclam-se as substâncias voláteis de forma simbiótica, tornando difícil distinguir se uma impressão olfativa é de canela, coentro, páprica, noz moscada ou exóticas pimentas, pois todos contribuem graciosamente para uma singular pout-pourri.
E, este veio acompanhando os verdes cítricos, que lembram vagamente a casca de limão queimado no açúcar, talvez porque esteja envolto no doce azedinho de frutas silvestres, ou no sensual e cálido aroma de figos.
Esta nota de figo que assoma de forma sutil, não é necessariamente fruto ou folha, quem sabe madeira que assemelha a figos secos, quando a figueira é recém cortada, ou ferida na casca.
Acorde amadeirado e quente, tal qual lã macia de cobertores que, por sua vez, lembram o âmbar. Doce e aveludado envolvendo caprichosamente, confortavelmente.
Cujo veludo remete a rosa. Delicada, uma presença majestosa, presente mas que dispensa ostentações.
Acompanhada de explosões luminosas que refletem resinas, em pequenas pitadas .
Esta sensação inicial de conforto não me abandonou em momento algum.
Uma comodidade preguiçosa, quente e acariciante, em fragrante e meiga sensualidade que perdura, atravessando as horas, acompanhando o bem estar.
Ou, simplesmente complementando uma boa companhia, pois é um acessório personalíssimo imprimindo elegante discrição em todos os instantes.

Nestas raros descontraídos e sedutores momentos, contemplados pela generosidade da Natureza, conseguimos um pequeno insight de paraíso.
O harmonizar de percepções com as constantes do mundo conhecido.



- Leia mais sobre o estupendo  Bois de Paradis no blog  Pimenta Vanilla de Carla Biscaglia. é Bois de Paradis conquistando fãs!

TRADUCTION
Il doce farniente est fait de petits plaisirs.
C'est comme ouvrir un livre et de sentir la délicieuse odeur des pages, nouvelles ou pas.
La fraîcheur de la cellulose nouvellement transformée et imprímée enchant autant que la douceur des pétales secs ou à l'odeur résiduelle de armoire en bois.
Par la cheminé, dans un après-midi d'automne, peút-être avec une fenêtre face au coucher du soleil, montrant la silhouette des grands arbres, de graves ombres colorées, contrastant avec la pénombre.
Cette atmosphère chaleureuse mérite un thé de rose chaud sucré, peut-être un verre de cognac réchauffer dans nos mains.
Nous pouvons avoir bien sûr de la musique et dun parfum dans l'arrière-plan. Doux, mais pas beacoup. Confortable. Assez incitè pour nous maintenir en éveil pour profiter de la nuit.
Je pense que se confortable engourdissement sur Bois de Paradis, dont la construction est suffisamment riche pour l'occasion, me surprendre avec une note inaperçue.
Lorsque il est arrivè à moi, je le sentais immédiatement dans le flacon. Il s'agit d'un péché mortel, mai je l'ai fait sans crainte.
L'odeur des épíces est entrée en moi de telle manière que, aprés la disparition, elle est restèe dans ma mémoire.
Je pensais que mon nez a sélectionné les épices dans un premier temps, et principalement le chaud et doux des nottes de cannelle.
Il s'agissait de la première impression qui couvre les autres qui sont arrivèes plus tard.
Il est étonnant à quel point les prochaines impressions m'ont frappé.
Dans une second expérience, cette fois-ci sur la peau, je sentais la note citrique plongée dans un mode persistant entre les autres notes.
Il me semblaint bien que l'ouverture d'un pot de porcelaine, où des épices précieuses sont conservées.
Après un certain temps, les substances volatiles mélangent dans une sorte de symbiose.
C'est difficile de distinguir si l'impression olfactive est de la cannelle, le paprika, le coriandre, le muscadier ou de piment exotique, une fois que tous contribuent à um singular mélange.
Il est venu avec des notes citriques, qui rappellent vaguement zeste de citron brulé et sucré, car il est peut-être enveloppé par la douce amertume de fruits  sauvage ou par l'oudeur chaude et sensuelle de figues .
Cette note vient des figues dans une manière discrète. Il ne s'agit pas nécessairement de fruits ou de feuilles, peut-être à partir du bois qui est semblable aux figues sèches, lorsque le figuier a été coupé ou seulement blessé.
Des notes chaudes et de bois, comme la laine douce d'une couverture, qui sent bon a l'ambre. Doux et velouté, enveloppant dans une ambiance confortable et capricieux.
Le velours nous amène à la rose. Dèlicat, d'une présence majesteuse, elle est présente mais n'a pas besoin d'être ostensive.
Il est suivi par des explosions de lumière qui reflètent de résine en petits portions.
Cette première sensation de confort m'a suivi tout le temps.
Une paresseuse, chaude et caressante intimité, une odorant e tendre sensualité de longue duré qui se passe pendant des heures, de prolongeant le bien-être,
Ou, simplement, de remplir un bon compagnon, car il est un acessoire qui monte une élégant discrétion tous les moments.
Traduction - Alexandre  Bohn


Ficha Técnica
Família Olfativa: Floral amadeirado,
Gênero: Unissex
Perfumista: Michel Roudnistka
Designer: Parfums DelRae
Rastro: Intenso a moderado
Fixação: Ótima
Pirâmide Olfativa:
  • Topo - Notas cítricas
  • Coração - Especiarias, rosa, amora silvestre, figo
  • Base - Âmbar, resinas, madeiras, incenso 
E-Commerce: Peut être acheté à L'Atelier Parfumé

 Imagens: Colagem e foto de  Elisabeth Casagrande com frasco Parfums delRae/Araucaria angustifolia-Curitiba ; Publicidade de Bois de Paradise em Parfums DelRae; Au Nom de La Rose de Michel Roudnitska

MICHEL ROUDNISTKA
Em Seine et Marne, um dos 96 departamentos metropolitanos da França, filho do conceituado nez Edmond Roudnistka, nasceu um artista, estudioso e criador da forma e aroma: Michel Roudnitska.
Sua visão sensível interpreta a arte dentro de percepção sensorial que entrelaça cor, movimento, som, forma, textura e odor.
Apesar da formação acadêmica em área administrativa (Escola L'ESSEC), encontrou na arte da fotografia e imagem digital, na produção de espetáculos e eventos visuais (ballet e música), escultura e da perfumaria os caminhos para expressar sua visão artística e criativa.
Um convívio íntimo, durante anos, com a perfumaria exercida por seu pai, resultou num embasamento que lhe permitiu superar os passos da formação rigorosamente acadêmica .
Consequentemente abriu-se espaço para desenvolver outra paixão: o mister no mundo gráfico digital e da fotografia, resultando em magníficos trabalhos, publicados por magazines ( 3 ème Millénaire, Vogue, Sciences et Avenir, Happy ), livros ( Editions Albin Michel, Souffle d'Or) e brochuras ( Concorde d'Air france, Shell, IBM) incluindo artigos para revistas especializadas em produção de imagens e perfumaria ( Le photographe, Pixel, Parfums et Senturs,Nouvelles Cles, le Point, Fashion Beauty, Marianne, Le Monde de L'Education).
Realizando um trabalho singular que conecta várias expressões de arte conduziu espetáculos audiovisuais e laser-show para grandes perfumarias , joalherias e oficinas de dança, Na França, Australia, Polinésia e outros países.
Durante os oito anos que passou no Pacífico Sul- Polinésia francesa, realizou juntamente com o filósofo Paule Salomon uma obra literária intitulada La Magie de la Perlè Noire e fundou uma Maison de edition.
Seu trabalho, conhecido como Photo Synthèses, desde 1981, unindo técnicas fotográficas com síntese computadorizada, conferiu-lhe um status de pioneirismo dentro da França.


Intensos estudos resultaram num método de correspondência entre formas olfativas e visuais. A tabela numérica desenvolvida, junto a programas de computadores e métodos modernos da análise dos odores, permite a síntese de imagens ,correlacionando-os com formas, cores, texturas, movimento e som.
O estudo aprofundado destes três universos - Sons, Cores e Odores conduziu-o à pesquisa científica, com desenvolvimento de teorias, baseadas na fisiologia e psicologia humana, comparando-as com outras como a Teoria de Gestalt. Estes ensaios são apresentados em congressos e seminários formativos .
Tal visão levou-o à um espetáculo ou show olfativo que conta a história da Perfumaria - Quintessence: Ballet e Multivision Plurisensorielle onde o mundo dos aromas é explorado pela percepção sensorial total e não só pela olfação. Sucederam-se outros espetáculos representando ambientações olfatórias como Pierre de Soleile e Un Monde en Sentuers.
Fundamentando a sua perfumaria sobre anos de prática e estudo, Michel vive em Cabris na região de Grasse, dirigindo a Fundação criada por Edmond Rounitska - Art&Parfum, destinada à criação de fragrâncias.
Voltando seu trabalho para o mercado de niche, com suas criações caracterizadas por qualidade e exclusivismo, lançou através de Editions de parfums Fréderic Malle, seu primeiro perfume Noir 
Epice, em 2002.



Após, para a marca PArfums DelRae surgiu nova linha, em 2002, com Bois de Paradise (Best Scent Masterpiece/2007: Beauty News- Sniffapalooza), sua criação preferida, resultado de alguns anos de pesquisa, seguidos de Amoureuse e Eau Iluminée.
Em 2004 surgiu Début, 2007 Ellie e Ellie Nuit(Best Scent Masterpiece Award 2007).
Emotionelle, lançado em novembro de 2008 na Europa, é uma intrigante fragrância que resultou no ápice de concepção posterior a muitos anos dedicados ao seu desenvolvimento.
Além de toda a dedicação à perfumaria e pesquisas, Michel Roudnistka demonstra uma postura administrativa moderna, consciência social bem definida, como afirma em entrevistas e comprova em atitudes, despendendo seu reduzido tempo à atender inúmeros autores de blogs sobre perfumes, estimulando o desenvolvimento desta atividade de comunicação.

"I believes websites and blogs dedicated to perfumes will have a an increasing role to play in this evolution toward the education of a mature and responsible consumer, able to choose which values he or she wants to privilege"- Artigo de M. Roudnistka para Sniffapalooza Magazine.


Traduction
En Seine et Marne, l'un des 96 départements de France métropolitaine, le fils du célèbre nez Edmond Roudnitska, artiste, chercheur et créateur de la forme et le parfum est né: Michel Roudnitska.
Sa vision sensible interprète de l'art à partir d'une perception sensorielle qui entrelacé la couleur, le mouvement, le son, la forme, la texture et l'odeur.
Bien que son background académique en administration ( école L'ESSEC) il a trouvé de façons d'exprimer sa créativité artistique et de voir dans la photographie, l'imagerie numérique, des spectacles et des productions des événements visuels ( la ballet et la musique), la sculpture et la fabrication de parfums.
En raison de son père, il a eu une vie toute proche des parfums. A cause de ça il a une base solide qui lui a permis de surmonter la formation strictemente académique.
En conséquence, il y avait un espace pour développer un autre de ses passions: le travail de conception numerique et de la photographie. Il a eu de magnifique oeuvres publieées dans le magazines ( 3 ème Millènaire, Vogue, Sciences et Avenir, Happy), des livres ( Editions Albin Michel, Souffle d'or) et des brochures ( Concorde d'Air France, Shell, IBM), ainsi que des articles spécialisès dans la production dimages et des parfums ( Le Photographe, Pixel, Parfums et Senteurs, Nouvelles Cles, Le Point , Fashion Beauty, Marianne, Le Monde de L'Education).
Avec son travail singulier qui relie de nombreuses expressions d'art, il a dirigé des spectacles audiovisuels et de laser pour des maisons de parfum, des bijoux et des ateliers de danse en France, Australie, La Polynésie, etc.
Pendant les huit années quand il a vécu en Polynésie française, il a produit-avec le philosophe Paule Salomon, un livre La Magie de La Perlé Noire et a crée une maison de édition.
Il a fait son travail de connu sous le nom de photo synthèse depuis 1981 avec les techniques de photo et de shynthése de l'ordinateur. En conséquence, il a atteint un statut de pionnier en France.
étude dévouée on été crées à partir d'une méthode de correspondance entre l'odeur et de l'image. Le tableau numérique qui a été développé, ainsi que les logiciels et les méthodes modernes d'analyse de l'odeur, permettent la synthèse e d'image, liés à des formes, des couleurs, des textures, le mouvement et le son.
L'étude approfondie de ces trois univers- les sons, les couleurs et l'oduers- l'ont conduit à la recherche scientifique, avec le dèveloppement de théories fondées sur la physiologie et la psychologie humaines et de les comparer à d'autres, telles que la théorie Gestalt. Ces travails ont été présentés à des congrès et séminaires.
Cette vision l'a conduit à un spectacle olfactif qui raconte l'histoire de la fabrication de parfums- Quintessence: Ballet e Multivision Plurisensorielle. Le monde du parfum est exploré par la perception sensorielle complète, et pas seulement par l'odeur. Il y avait d'autres spectacles comme Pierre de Soleil et Un Monde en Sentuers.
Ayant fondé sa fabrication de parfum sur des années de pratique et l'étude, Michel vit à Cabris, dans la région de Grasse, où il dirige la fondation Art & Parfum pour la création des parfums, qui a été fondée par Edmond Roudnitska.
Em conduisant son travail à un marché de niche, avec des créations qui se caractérisent par la qualité et l'exclusivité, il sort son premier parfum Noir Epicé em 2002 par Editions de Parfums Fréderic Malle.
Plus tard, il a sorti une nouvelle ligne em 2002 à la marque Parfums DelRae avec Bois de Paradis ( Best Scent Masterpierce/2007: Beauty News-Sniffapalooza), quiest sa création préferée.
Aprés quelques annés de recherche, il a sorti Amoureuse et Eau Iluminée.
En 2004, il a produit Début, et en 2007 Ellie e Ellie Nuit ( Best Scent Masterpiece Awaed 2007)
Emottionelle, qui a été sortie en Novembre 2008 , en Europe, est un parfum qui intrigue et est le résultat de sommet d'années de conception et de développement.
Outre sondévouement à faire du parfum et de la recherche, Michel Roudnitska montre une administration moderne et une position bien définie de conscience sociale, comme il l'a dit dans des interviews et montre avec ses attitudes. Il utilise son rare temps libre pour répondre à d'innombrables écrivains de blogs de parfum pour stimuler le dèveloppement de ce moyen de communication.
-"I believes websites and blogs dedicated to perfumes will have a an increasing role to play in this evolution toward the education of a mature and responsible consumer, able to choose which values he or she wants to privilege"- Artigo de M. Roudnistka para Sniffapalooza Magazine.

Créditos:  Imagens cedidas por Michel Roudnitska de parfum-et-art.com
Parfum d'histoire-Sephora por Michel RoudnitskaFragrances -"Correspondência entre o Universo Visual e Olfativo"- Conferência no congresso Centifolia -1995- Michel Rounitska.
Musiques d'Images -Quintessences - Michel Roudnistka
Ma Vie Avec la Vague- Imagem Michel Roudnistka
Fontes de consulta :www.art-et-parfum.com


  
Comentário Vip
  - " Foram necessários 20 anos para que um perfume tirasse Gió  do posto de número 1 nos meus preferidos. Este é um perfume quente, doce, especiarado, envolvente, sexy, elegante, único. Sinto as especiarias dissolvidas numa calda de açúcar derretido, um cheiro de bebida quente, alcoólica, para aquecer no inverno. Tem cheiro de quentão! E que evolução! E que fixação! Um perfume que surpreende o tempo todo, muda na pele, cada vez para um aroma mais interessante que o anterior. Estou apaixonada. Nunca imaginei que existisse obra assim.
Como cheguei a citar , é usar Bois de Paradis pra vir a cabeça a ideia de que, se tenho ele não preciso de mais nenhum perfume. É ele! Encontrei!
Pena que só tenho a amostra... quero um e vou ter!"

Sarah em  2010 na postagem original.

Arte Irmã:  Se falasse através da música seria em ...

AS ROSAS NÃO FALAM-
Bate outra vez
Com esperanças o meu coração
Pois já vai terminando o verão, enfim

Volto ao jardim
Com a certeza que devo chorar
Pois bem sei que não queres voltar para mim.

Queixo-me às rosas, mas que bobagem
As rosas não falam
Simplesmente as rosas exalam
O perfume que roubam de ti,ai

Devias vir
Para ver os meus olhos tristonhos
E, quem sabe sonhavas meus sonhos
por fim.

Vídeo
: As Rosas não Falam/Composição: Cartola /Intérprete: Luciana Mello


quinta-feira, abril 09, 2009

Palio eau de toilette- Lorenzo Siena Fragrances


Manhã ensolarada em Siena/Itália - Palio eau de toilette
 
Sou uma contadora de histórias! Quando pequena, muito pequena, insistia em contar para amiguinhos as mirabolantes aventuras de princesas orientais em castelos no meio do deserto ou luxuosas cortes europeias.
Evidentemente, nas representações teatrais - que dirigia sem saber que o fazia - era sempre a princesa. Total e infantilmente arbitrária! Como era a dona das histórias, quem não concordasse não brincava. E, se contestada criava uma melhor.
Cresci entre histórias, no magistério continuei, e no presente, quando leio um relato como de Laurence, o encantamento da infância retorna; o arrepio pela narrativa é forte.


Assim Nasce um Perfume...
Olhando o semblante deste empresário, professor durante 30 anos, sereno e amigável em cenário clássico, refinado, mergulho no tempo até 1980.
Nasce Elise Catherine Siena.
Coincidentemente no dia de Saint Catherine of Siena.
Os pais resolvem que um dia farão peregrinação à medieval cidade, cujo nome coincide com o da família.
Corre o tempo, Catherine cresce e Laurence desenvolve, paralelo ao amor pela família, uma paixão- perfumes.
Surge outro sonho a realizar: Uma fragrância  própria e particular, com características desejadas desde a adolescência, carregando os cheiros que marcaram sua memória.
Muitos conselhos vieram. Alguns simpático, outros desestimuladores.
Procurou por Patrick Givenchy de Mane fragrance, Coty e Revlon adquirindo uma certeza: seria sua a empreitada, a custa de sacrifícios e dedicação pessoal.
Assim fez! Apoiado pela família buscou os meios, buscou o conhecimento e, também foi para Italia, acompanhado da amiga, dedicada e amorosa esposa.
Chegaram no dia anterior ao famoso Il Palio de Siena- evento competitivo com cavalos de raça.
E lá, estava Laurence, boquiaberto ante a descoberta interior, em plena comemoração, que remontava aos tempos medievais.
Seu perfume seria PALIO de Siena!


Nascera o nome, a identidade, naquele local de 17 contradas (bairros), seu número de sorte.
Entretanto, durante pouco mais de 15 anos ( 1990-2005), Palio foi desterrado para as profundidades sombrias dos armários, enquanto Laurence e sua esposa trabalhavam, dedicados ao desenvolvimento familiar.
Guardado mas não esquecido!
Durante as viagens de férias, para a Cote D'Azur, Florenca ou Paris, o casal visitava laboratórios, participava de workshops, procurando aprimoramento e contatos para lançar a colônia.
Esta decisão finalmente veio numa reunião de pais e mestres através de conversa ocasional com uma jovem que trabalhava na Alpha Research empresa de cosméticos.
Pena, não produzia perfumes...
Começava uma labuta exaustiva. Peregrinação à várias indústrias indicadas, procurando parceria.
Algumas apresentavam orçamentos de produção altíssimos, outras simplesmente ignoravam, sequer procurando conhecer o produto.
Sua esposa, numa última tentativa, procurou Drom International, companhia alemã baseada em Towaca, New Jersey.
Executivos e "nose" encantaram-se fazendo com que Palio voltasse para o sol.
Ainda obscurecido por nuvens, com o nome da nova companhia contestado e registros embaraçados, que fizeram tempo e dinheiro escoar rapidamente.


Porém, obstinado, como se fosse teimoso italiano, arregaçou as manga, idealizou cartões, apresentação, embalagens e após 17 meses sem tréguas, sai a primeira produção.
O encarregado avisa que as 117 caixas da entrega inicial só comportariam 17 frascos em cada uma. Número ímpar.
Despertou sorrisos aquela coincidência e Larry respondeu:
Sem problemas, é meu presente de aniversário, 17 de maio.
Também sorrio. Minha filha nasceu em abril, meu número da sorte é 7 e faço aniversário em maio.
Tive que contar esta história.


Translation
I am a story teller!
When I was small, a very small kid, I insisted in telling fantastic adventures of oriental princesses in castles in the middle of the desert or in luxurious European courts.
Of course in theatrical performances, which I ran without knowing that I did, I always played the princess, a totally childish arbitrary one! Being the owner of the stories, the kid who did not agree was out and couldn't play. And if challenged I would create a better story.
I grew up among stories, also met them in my teaching practice and in the present when I read a story like Laurence's, the enchantment of childhood returns, the thrilling of the narrative is strong.

Born a Perfume...
Looking at the face of this employe, teacher for 30 years, friendly and serene in a classic and refined scenery, I dive back in time to 1980.
Catherine Elise Siena is born.
By coincidence on the day of Saint Catherine of Siena.
Her parents decided that one day they would go on a pilgrimage to the medieval city, wich name coincided with the family one.
Time goes by, Catherine groes up and Laurence, along with his family love, develops a perfume passion.
Another dream to be fulfilled is born: a particular aroma of his own, with desired characteristics coming from adolescence, carryng the odor that marked his memory.
He was given many advices. Some nice, others discouraged.
He looked for Patrick Givenchy of Mane Fragrance, Coty and Revlon coming to a decision: this would be his goal, at the expense of personal sacrifice and dedication.
So, he did it! Supported by the family he looked for means, knowledge and also went to Italy, accompanied by his friendly and lovely companion wife.
They arrived the day before the famous event- the bred horse race Il Palio of Siena.
And there stood Laurence, astonished at the inner discovery, in full celebration, going back to medieval times.
His perfume would be PALIO of Siena!
The name and identify were born, in that area of 17 contradas (neighborhoods), his number of luck.
Howewer, for little more than 15 years (1990-2005), Palio was thrown to the depths of dark closets, while Laurence and his wife worked, dedicated to family welfare. Kept but not forgotten!
During holiday trips to Cote D'Azur, Florence or Paris, the couple would visit laboratories, take part in workshops, seeking improvement and contacts to launch the colony.
The decision finally came in a meeting of parents and teachers during a casual talk with a young lady who worked in the Alpha Research cosmetic firm.
What a pity, it didn't make perfumes.
An exhaustive toil started. A pilgrimage to various recommended industries, seeking for partenership. Some had very hight production budgets, others simply ignored him, without even tryng to know the product.
His wife, in a last attempt, went to Drom International, a German company based in Towaco, New Jersey.
Employees and "nose" were delighted and helped Palio go back to sun . Although obscured by clouds, having the name of the new company disputed and disorganized records, they had time and money vanishing quickly.
Howewer, determined, as a stubborn Italian, he rolled up sleeves, created cards, layout, packaging and after 17 months without rest, the first production was realized.
The officer tells him that the 117 initial delivery boxes would only held 17 botles each. An odd number. That coincidence brought about smiles and Larry said:
No problem, this is my birthday present, May 17.
I also smile. My daughter was born in April, my lucky number is 7, and my birthday is in may.
I had to tell this story.

Source of consultations: www.lorenzosiena.com
Translation of Rosaria Ferreira collector and self-taught person of perfumes


Palio
Um início doce como todos os sonhos revela notas levemente cítricas deixando entrever a doçura de abacaxis recém cortados, logo invadida pelo aroma de menta como num refrescante coquetel de verão.
Uma brisa gelada de interiores onde procuramos fugir do sol entrando em salas frescas ou varandas sombreadas.
A sensação agradável é do banho recém tomado.
Suave e doce lavanda gelada, quase metálica, mistura-se às flores mantendo na base das suas circunvoluções um toque picante, que as vezes remete ao discreto patchuli, outras à especiarias amendoadas e aconchegantes.
Esta fragrância desprovida de excessos, induz à serenidade. Revela um espírito amadurecido e gentil onde notas harmonizam-se num acorde poeirento.
Brilham almíscar branco e o sândalo.
Doce do começo ao fim, suave porém persistente.
Clássico, é um perfume que se adapta à várias circunstâncias sempre imprimindo elegância.
Contido num belo frasco de linhas puras o eau de parfum é translúcido isento de corantes. Seu borrifador, arrolhável, permite a reutilização.
Perfume assinatura que adapta-se as variações do clima e de atividades.
Encaixa-se numa reunião de negócios, numa festa familiar, num passeio tranquilo ao final da tarde.
Futuros lançamentos: Palio Gold e Palio Lady


Família Olfativa:Aromático amadeirado, 2008
Gênero: masculino
Perfumista: Laurence Siena
Rastro: Intenso a moderado
Fixação: Ótima
Pirâmide Olfativa:

* Topo- Cítricos (grape fruit, laranja, limão), abacaxi, folhas de hortelã, hera.
* Coração- Lavanda, Rosa, lírios, jasmim-estrela
* Base - Sândalo, patchuli, Almíscar branco

Translation
A sweet opening like in all dreams reveals slightly citrus notes and a hint of the sweetness of fresh cut pineapples, soon invaded by the aroma of mint in a refreshing summer cocktail.
A cool breeze of insides which we seek to escape from the sun, entering fresh rooms or shaded balconies .
The pleasant feeling is that of a recent taken bath.
Smooth and sweet iced lavender, almost metallic, are mixed with flowers keeping on the basis of its evolution a spicy touch, that sometimes leads to a mild patchouli, and others to almond and warm spices.
This fragrance lacking of excess, brings serenity. It reveals a mature and gentle soul in which harmonious notes form a powdery accord. White musk and sandalwood shine.
Sweet from opening to dry-down, soft but lasting.
Classic. It is a perfume that fits various circunstances always outstanding elegance.
kept in a beautiful bottle of pure lines, the eau de perfume is translucent without any colouring. The spray corked device is refilable.
A signature perfume that gooes with any climate change or any activity.
It fits a business meeting a family celebration, a quiet walk in twilight.
Futures releases: Palio Gold and Palio Lady

Olfactory Family: Aromatic wood, 2008]
Gender: Male
Sillage:Intense
Fixation: Great
Perfumer: Laurence Siena
Olfactory Pyramid:

* Top - Citrus ( grape fruit, orange, lemon), pineapple, leaves of mint, evy
* Heart - Lavender, rose, lily, star-jasmine
* Base - Sandalwood, patchouli, white musk

Arte Irmã: Na bela música italiana - Come  Un Ponte Sull'acqua Che Va  de Patty Pravo

sábado, abril 04, 2009

Five O'Clock Au Gingembre - Serge Lutens



Incrivelmente doce nas primeiras notas!
Algo que desperta uma vontade de frutas cristalizadas.... humm
Oh... pensei.
- Que doce! Já comi confeitos de gengibre cristalizado, mas esta balinha é diferente. Tem outros sabores deliciosos adicionados.
Algo  picante, que aproxima-se do mentolado... não é, evidentemente, só gengibre. O líquido semi oleoso causa uma sensação de geladinho sobre a pele. Quase um arrepio.
Doce arrepio.... humm. Isto é vasoconstrição.
Très chic?
Oui, Lutens é!


Mas, que heresia, tem algo nele que vai para os embalos do rock.
Estarei com espírito da noite hoje? Da noite que leva para os embalos ?
Não, frenéticos embalos de sábado a noite já não são minha xícara de chá. Entretanto  um rock leve e gostoso ... por que não?
E, este aroma tão doce é quase masculino. Não é para usar mas para sentir, o que talvez faça dele uma fragrância ainda mais interessante.
Distraída como sou não procurei informar-me se cai no prosaico masculino, feminino ou unissex.
Farei minha própria classificação: Provavelmente masculino, sem privilégios de exclusividade. Perfumaria é democrática.
O usuário deve ser gentil e terno como a doçura inicial, mas com alguma pitada de temperada malícia. Jovem, não necessariamente no plano físico, talvez de espírito - talvez Hugh Grant...


Assim indica este acorde levemente aromático como se ervas delicadas e frescas estivessem adicionadas à balinha de gengibre.
Ele encara a night sim. Deixa o ânimo leve, como os acordes, sem perder a carga de energia, de vitalidade necessária para aguentar até a madrugada.
E quando a noite já estiver avançada vem esta lassidão do amadeirado. Lá no fundo achei patchuli, um leve ardido de vetiver, misturados ao cedro que carrega um pouco de enfumaçado incenso.
Mas o frescor quase hortelã, talvez erva cidreira permanece. Que bom.
Inspirei profundamente, intercalei com café ( na realidade borra de café, bem caseira) e aleluia, achei algo muito próximo ao chocolate preto, embora escondido, dissimulado sob camadas de notas apimentadas, aromáticas e amadeiradas fugidio. Assim como veio foi. Talvez tenha sido só uma impressão.
Uma composição singular. Tão adequada para uma noite de sábado quase as vésperas da Páscoa,q quase aleluia.
Entretanto o que prevalece é o aromático, levemente cítrico, apimentado que lembra muito uma misturinha de pimenta com cidreira e uma leve pitada de hortelã.
Sândalo, âmbar e almíscar, trio muito leve...
Intrigante é nosso olfato...talvez muitos torçam o nariz ao ler esta descrição, mas é uma verdade absoluta para minhas células olfativas.


Entretanto, cinderelas de plantão, atentem ! Voltem cedo para casa. O aroma do entusiasmado príncipe não dura mais que 4 ou 5 horas. Ou melhor, transforma o energizado baladeiro num confortável e fumegante chá para aquecer na caída de temperatura da madrugada, junto ao queimar de madeiras na lareira.
Hoje curti mais um cobiçado Lutens.
Antagônico: Complexo e ao mesmo tempo simples, quase linear.
Começo a sentir uma certa familiaridade com esta comentada perfumaria.
Com o tempo será uma velha amiga...definitivamente hoje estou pagã!

Ficha Técnica
Família Olfativa: Oriental amadeirado,2008
Perfumista: Christopher Sheldrake
Pirâmide Olfativa:
  • Topo- Tangerina
  • Coração- gengibre, canela, notas amadeiradas
  • Base- Cacau, mel, âmbar, patchuli e pimenta.
Notas Olfativas: Laranja, mel, gengibre, canela, cravo, âmbar, almíscar, âmbar, chocolate preto, cedro, patchuli.

Arte Irmã:Way Back Into Love - Music and Lyrics com Hugh Grant e Drew Barrymore


Imagens: Noite em São Paulo por Rodrigo Siqueira, Publicidade de Five O clock Au de Gingembre por ww.neautynewsnyc.com - Modelo Nathalia - Propaganda Sòzinhos - Categoria Ouro -Cultura e educação/2003- Agência Propeg Paraná
Balinhas de gengibre cristalizado por Ines93- Flickr


quinta-feira, abril 02, 2009

Frankinsence Myrrh Rose Maroc - perfume oil by Regina Harris


Luxuoso! Frasco em metal prateado, arabescos sobre o vidro, envolvidos por veludo negro.
Pequeno o suficiente para acompanhar em ocasiões sofisticadas ou de pretendida intimidade.
Contém um óleo denso, dourado quase âmbar a reinterar sua proposta de exoticidade e sedução.
Esta oleosidade que se espalha sobre a pele, a princípio decepciona pela suavidade da sillage, pela temporalidade da fragrância.
Eis o mistério.
Avoluma, cresce, a medida que o corpo torna-se mais quente, que a pulsação aumenta.
Um aroma doce e floral denuncia as inebriantes rosas do marrocos.
Tão sedutoras...tão delicadas.


Entretanto não atordoa, pois existem notas leves frescas , ligeiramente aromáticas, adornando pelas laterais, esta imagem onde a rainha absoluta ainda é a flor. Pelo menos no início.
Oriental, misteriosa e doce como o mais fino mel.
Assim compreendo a magia do oriente. Entrevejo entre a suave névoa dos incensos, a dança provocante e sensual, em seus movimentos ora delicados ora vibrantes. Ouço a música que parece um lamento sinuoso, mas de prazer e não do. Sinto o sabor dos frutos exóticos e das iguarias singularmente doces.
Assim vejo o oriente.
Noites densas, estrelas salpicadas, areia e pedras mornas de guardar o sol, bafejadas pelo cálido aroma de flores trazidas de jardins exuberantes, algumas vezes próximos, noutras distantes.


Refletido na evolução que retira a flor da cena principal, exaltando o incenso e seu picante delicado.
Um oriente preguiçoso em convidativas almofadas de cetim adamascado e macios tapetes ricamente elaborados, minuciosamente bordados.
Percebe-se esta suavidade em acorde que evoca almíscar, sândalo e um toque de âmbar.
Terra de paixão e fascínio, belos e viris homens a conquistar encantadoras mulheres, de sensualidade latente, aflorando à pele.
Oriente de adornos em metal, preciosos não pela natureza da matéria, mas pela essência da arte.
Esta arte que percebo no óleo aromático, que não contém exacerbamentos extravagantes, mas floral condimentado  e envolvente.
Rico como o Oriente em sua cultura e hábitos milenares. Rico em mirra e incenso é Frankinsence Myrrh Rose Maroc.


Família Olfativa : Oriental floral
Notas Olfativas : Rosa do Marrocos, incenso e mirra

REGINA HARRIS

Atualmente em New York, esta versátil profissional, com formação em artes plásticas, moda , fotografia e dança (flamenco, indiana e butsh) aventurou-se, além do universo de moda e Lindamente influenciada pela formação no Oriente médio, criou uma coleção de óleos perfumados contidos em frascos artesanais.
Seus trabalhos, no campo fashion, podem ser vistos na Vogue, Elle, W , Marie Claire, outras revistas e livros.
Da sua autoria é cabelo e maquiagem de Matthew Barney( Cremaster Film) assim como a concepção de peças para restropctiva do trabalho de A.Wharhol no Museu Whitney.
Body Pod no Poo (D'Amelio Terras Gallery,1999), uma de suas esculturas participou da amostra de um grupo de trabalho sobre movimentos que simulam e/ou capturam a forma humana.
Focada na beleza, sua sensibilidade olfativa e pessoal levou-a nesta incursão pela perfumaria.

Arte Irmã na música

Vídeo: Phil Thornton & Hossam Ramzy - At the Gates of the Citadel -Albunm Immortal Egypt


Imagens: Publicidade de perfume -Nancymeyer.
Petite Grazy -por Marti Crippa no ensaio Arabesque (bellydance)