Pin It button on image hover

terça-feira, dezembro 29, 2009

Femme Rochas eau de parfum

Agruras em tempo de guerra.
Desafio para perfumistas que trabalhavam em condições de precário fornecimento da matéria prima, dentro de uma sociedade conturbada, caracterizada pelo conflitante clima de agressões.
Onde buscar inspiração, construir o belo entre a fealdade?
Voluptuosa e provocante atriz dedicava parte do seu tempo e atividades artísticas com o intuito de levantar o ânimo das tropas combatentes e reza a lenda que Mae West se tornou modelo inspirador do frasco sinuoso de Femme Rochas, na concepção de Marcel Rochas para um perfume essencialmente feminino que seria presentado à sua esposa.
Encomenda feita ao célebre nez Edmond Roudnitska, criação concretizada em 1943 durante a ocupação nazista na França.
Percebo a sincronia do conceito.


A beleza das curvas generosas e o temperamento desafiador fizeram da irreverente estrela um modelo sugestivo para o desenho arredondado do frasco de Femme, perfume quente, especiado e sensual, que inevitavelmente deixou um rastro de seguidores inspirados.
Veio à público em 1944 e foi sucesso estrondoso originando listas de espera para adquirir um cobiçado vidro do chypre fruitè, arredio aos moldes habituais do Chypre de Coty, sublinhando principalmente notas frutadas e aldeídicas.
Na minha visão Femme é um "belo Perfume" que atende a concepção do próprio mestre Roudnitska :
" Un beau Parfum est celui qui nous procure un choc, un choc sensoriel suivi d'un choc psychologique. Un beau Parfum est une composition dont les proportions sont heureuses et la forme originale."

A originalidade esteve presente, no equilíbrio das suas notas cálidas especiaradas e vibrantes. Sua doce sensualidade transmite a alegria de viver, temporariamente esmaecida numa sociedade que sofria os efeitos da ganância humana, dos desvarios do poder.
Femme era um choque psicológico, positivo vitalizante.
Sentimos o impacto inicial quanto somos tocados pelo doce inebriante e oriental apimentado das flores, temperadas pela canela, imediatamente assediadas por gutural e amargo toque animalic.
Desta versão eau de parfum, revisitada por Olivier Cresp em 1989, dizem ser menos cítrica e aldeídica que a original, o que dificilmente terei o prazer de comprovar. Contudo encanta, mesmo que não sintamos intensamente a acidez do limão.
Existe sim um equilíbrio quase musical entre ameixas, pêssegos maduros e flores e cominho, o tão comentado, tempera com maestria, habilmente dosado.
Sândalo, âmbar e almíscar conseguem suavizar seu acento temperado, revestindo jasmim e rosa de sensualidade e graça enquanto cravos conferem picante sofisticação.

Acorde de couro e benjoim ascende da base para revelar a beleza de cada componente e provocar a sensação de doce e requintada intimidade.
É a essência da fêmea, expressando seus devaneios mais íntimos, revelando contornos macios numa penumbra esfumaçada, que não esconde fulgores ora perolados, ora cristalinos.



Família Olfativa: Chypre frutal, 1944- ( reformulação-1989)
Gênero: Feminino
Perfumista: Edmond Roudnitska
Rastro : Intenso
Fixação: Muito Boa
Pirâmide Olfativa:
  • Topo - Pêssego, ameixa, cominho, pau- rosa, limão , bergamota, canela
  • Coração - Jasmim, rosa, raiz de íris, cravo, cravo-da-índia, alecrim, ylang ylang
  • Base - Baunilha, musgo de carvalho, patchuli, benjoim, âmbar, almíscar

Arte Irmã ... na poesia e na música!
Mulher
"...Para conquistar uma mulher,
mais que ser este amante, há de se querer o amanhã,
e depois do amor um silêncio de cumplicidade...
e mostrar que o que se quiz é menor do que o que
não se deve perder.

É esperar amanhecer, e nem lembrar do relógio ou
café...
Há que ser mulher,
por um triz e, então, ser feliz!

Para amar uma mulher, mais que entendê-la,
mais que conhecê-la, mais que possuí-la,
é preciso honrar a obra de Deus, e merecer um
sorriso escondido, e também
ser possuído e, ainda assim, também ser viril...

Para amar uma mulher, mais que tentar conquistá-la,
há de ser conquistado...todo tomado e, com um
pouco de sorte, também ser
amado!"


Carlos Drummond de Andrade


Vídeo:
Onde Anda Você - Toquinho e Vinicius



Imagens : Miniatura de Femme Rochas em foto de Elisabeth Casagrande; Mae West de As Mais Belas Atrizes; Fashion ilustration Marcel Rochas-Begnini; Renda para noivas de custom.com.

domingo, dezembro 27, 2009

Jardins de Bagatelle eau de parfum - Guerlain

 Cenário para reis e rainhas ...um requintado jardim dos contos de fada.
Foi esta a sensação que tive ao sentir Jardins de Bagatelle a prima volta.
Flores de bouquet voluptuoso dominam a cena mesmo quando envoltas por seivas verdes e ácidas, madeiras e almíscar.
Aroma penetrante e aldeídico que inebria.

Se fecharmos os olhos sentiremos na pele o roçar do vento trazendo a mistura de cheiros, a diversidade floral, enquanto ouvimos o sussurro entre folhas e o farfalhar de saias da mais rica seda.
Profusão de verdes cujos tons competem com floral colorido e nuances castanhas dos troncos das alamedas.

Todavia imperam as flores brancas, na sua fragrante majestade ... Jasmim, angelica, magnólia, ylang ylang, cuja monocromia é quebrada pelos lírios amarelos, róseas orquídeas e púrpuras violetas e rosas.
Este elegante e suntuoso bouquet está amparado nos licores finos que embebem suas flores até encontrar o persistente picante ácido e cítrico de vetiver e patchuli deixando entrever ao fundo amadeirado terroso e denso.

Evolui graciosamente se encaminhando ao acorde de base, entre nobres madeiras e raízes talcadas da bela íris, delicadamente doce no equilíbrio perfeito de baunilha e fava tonka, numa característica evidentemente Guerlain.
Voluptuoso, não é um floral inocente, desprendendo maliciosa e almiscarada sensualidade, mesmo quando finaliza intensamente amadeirado, e percebe-se a rispidez do cedro seco e limpo.

Cativante e impressivo, usar Jardin de Bagatelle é vestir decotes seculares, chapéus elegantes e desenvolver a arte da coqueteria e sedução em longos passeios, entre frondosas árvores de aromático jardim.
Recomendo.
 Família Olfativa: Floral amadeirado, 1983
Gênero: Feminino
Perfumista: Jean-Paul Guerlain
Frasco : Roberto Granai
Rastro: Intenso
Fixação: Ótima
Pirâmide Olfativa:
  • Topo - Bergamota, limão, jasmim, violeta, aldeídos
  • Coração - Jasmim, neroli, gardênia, angelica, magnólia, narciso, orquídea, ylang-ylang, lírio, rosa.
  • Base - Patchuli, vetiver, almíscar, cedro, orris, tuberosa.
Vai ao Shopping? Confiras preços e marcas nas boas lojas que abrem suas portas em Perfume Bighouse 

Arte Irmã...um personagem, um filme, uma música.
Vídeo: Keira Knightley- Apologize


Imagens:Frasco Guerlain;  Pride & Prejudice , 2005- Keira Knightley; Un Paon sur une branche de cerisier - Jardins de Bagatelle; Publicidade - Se decouvrir Jardins de Bagatelle 1988; Publicidade de 1990-L'eau de parfum; The Duchess,2008 - Keira knightly.

L'Heure Bleue eau de parfum - Guerlain

É possível perder noção de tempo e espaço quando nos deixamos dominar pela magia do crepúsculo, de fugidio brilho diurno, luminoso e ensolarado, que dilui, enquanto o céu se veste de púrpuras, laranjas, e finalmente azuis.
Belos... os azuis mais belos da Natureza antecedem a sombria intensidade da noite.
A Terra pulsa nesta hora, em cadência surda, pontuada pelo estrilar de aves retardatárias e sussurros de ventos mudando a direção.
Tal encantamento seduziu Jacques Guerlain a ponto de inspirar uma bel
a composição ?
Não duvido!
L'Heure Bleue parece saído de uma novela romanesc
a tingida em gamas de azul que camuflam pinceladas coloridas e vibrantes. 
A experiência envolvente de sentir tal aroma na pele se deu numa noite quente e abafada de verão, quando temporal repentino nos privou de energia elétrica.
E assim, a luz de velas, desfrutei L'Heure Bleue, na breve n
egritude, no repouso após a tempestade, sem cores ou tumultos.

Complexo, rico em ondulações, como o céu multifacetado ao anoitecer.
A primeira sensação aromática, ainda alcoólica, veio doce, intensamente floral, rica o bouquet  de laranjeira e jasmim, temperado  pelo anis, somando generoso e picante cravo.
 
Muito rápido o ramalhete declinou intensidade e submeteu-se à ervas e resinas, quase puro látex, seiva a escorrer dos troncos.
Atenuando esta cremosidade semi emborrachada surge íris de brilho seco,
empoeirado acompanhada pelo canforado e pungente acento a conferir ares de poção antiga e medicinal, evocando sortilégios. Há neste momento a oscilação entre uma faceta metálica e fria e  cálido, quase salgado toque animalic,   geralmente companheiro de ládano, benjoim ou civeta.
Pareceu-me  o desvanecer do calor diurno, dominado pelo sereno fresco do anoitecer.

Acordes cuja instável multiplicidade mantém um traço de união na doçura picante dos cravos oriundos do topo e percorrendo grande parte da evolução.
Esta sucessão de flores exuberantes, como angélica e rosa, junto as resinas sublinham no amadurecimento
da fragrância toda sutileza da baunilha, heliotrópio (planta chocolate ou jasmim chocolate) e almíscar, a formar uma composição limpa e confortável, harmônico equilíbrio entre notas naturais e intensidade aldeídica.
Permanecem constantes o bouquet, resinas, almíscar
e madeiras doces entremeadas pela cremosidade de suavidade láctea, fresca e confortável. 
Rico, sedutor e mutante, é difícil resistir ao hipnótico chamado, aos devaneios preguiçosos do início da noite.
L'heure Bleue eau de parfum é um mosaico azulado, ora quieto e suave, ora vibrante e intenso.... crepúsculo aprisionado no belo frasco idealizado por Raymond Guerlain.



Família Olfativa:Oriental floral,1912
Gênero: Feminino ( compartilhável) 
Perfumista: Jacques Guerlain 
Frasco: Raymond Guerlain
Rastro: Intenso 
Fixação: Muito Boa 
Pirâmide Olfativa:
  • Topo -Anis estrelado, bergamota, estragão, sálvia
  • Coração - cravo da índia, flor de laranjeira, rosa, angélica
  • Base - Heliotrópio, íris, baunilha, almíscar
Vai ao Shopping? Confiras preços e marcas nas boas lojas que abrem suas portas em Perfume Bighouse 

.Arte Irmã... A música
Vídeo: Fly Me to The Moon- Diana krall



 Imagens: Montagem frasco L'Heure Bleue sobre Dont Look Bleu artwork de Angela Marie Barre por Elisabeth Casagrande; Blue Twilight de Inge Helene ; Publicidade vintage de L'Heure Bleu- 1993 e 1972, Publicidade Guerlain

sábado, dezembro 26, 2009

Tocade eau de toilette - Rochas Paris

Tocade...mania ou paixão!
Tocade é mais que isto, é um caminho que conduz ao mistério de um cenário oriental embebido no insólito acorde de rosas, âmbar e baunilha.
Flores doces e voluptuosas temperadas com especiarias abrem suas pétalas resplandecendo ante o brilho dourado do âmbar.
Nos primeiros momentos sentimos o calor sensual que desprende da fragrância, delicado e sedutor animalic, antevendo o ápice do bouquet que desponta.

Rosas desabrochadas mergulham na calda ambarina da baunilha apimentada pelo blend rico e secreto de resinas levemente incensadas e amadeiradas.
A doce aragem oriental levanta emanações que sugerem vislumbres de cedro, ládano, patchuli benjoim, incenso e mirra, surgindo entre dobras de âmbar e almíscar, como preciosidades cativas ansiando pela liberdade.
Na sensualidade de tais notas quentes e exóticas o acorde herbáceo de bergamota e folhas, preserva tanto frescor quanto possível em tais composições, garantindo conforto e preguiçosa languidez.

Progressão dos acentos acompanha o crescimento de notas amadeiradas, cuja rispidez se perde ante o aveludado do âmbar e a cremosidade da baunilha.
Em breves momentos lembrou-me Roma de Laura Biagiotti, num acento igualmente anisado, embora menos intenso.
Em outros  devido ao tempero de pimentas parece ter sido a inspiração para Lalique Le Parfum.


Após o despertar de paixões no redemoinho de aromas voluptuosos, Tocade adormece suave e doce entre acetinado talco de raiz de íris à embalar baunilha saturada de âmbar e almíscar.

Família Olfativa: Oriental baunilha,1994
Gênero: Feminino
Perfumista: Maurice Roucel
Rastro: Intenso
Fixação: Muito Boa
Frasco - Serge Mansau

Pirâmide Olfativa:
  • Topo - Bergamota, notas verdes, junquilho, gerânio
  • Coração - Rosa, jasmim, magnólia, lírio selvagem, raiz de íris
  • Base - Baunilha, madeira de cedro, âmbar, patchuli, almíscar


Vai ao Shopping? Confiras preços e marcas nas boas lojas que abrem suas portas em Perfume Bighouse 

Arte Irmã na música... VÍDEO: The Closest Thin to Crazy


Imagem: Foto colagem de Elisabeth Casagrande com Tocade by Rochas; Publicidade Tocade by Rochas Paris

quinta-feira, dezembro 24, 2009

Pour Un Homme Cologne - Parfums Caron

Pegue uma partitura de Bach, comece treinando a mão esquerda. Agora a mão direita.
Estranho, parecem músicas diferentes... Agora junte.
E morra!
No momento que a baunilha e a lavanda começam seu duo, surge outra coisa além delas.
Plenitude, mas não completude, força, mas não brutalidade, frescor e não leviandade.
Aparecem rusticidade, clareza e tradição.
É assim transparente a mensagem de Caron,  Pour un Homme .
Se tivesse que escolher um perfume só na vida seria este.




Contribuição de Aretê

Família olfativa: Fougere aromático, 1934
Gênero: Masculino
Perfumista: Ernest Daltroff
Frasco: Félicie Vanpouille
Pirâmide Olfativa:
  • Topo - Lavanda, alecrim ( rosemary ou rosmarino), bergamota, limão
  • Coração - Sálvia, rosa, pau-rosa, madeira de cedro
  • Base - Baunilha, fava tonka, almíscar, musgo de carvalho
Arte Irmã
Vídeo: Bach - In Dulce Jubilo

Imagens: Publicidade Pour Un Homme by Caron- 1934;  Colagem de frasco Pour Un Homme de Caron em partitura vintage - Elisabeth Casagrande

Nu eau de parfum - Yves Saint Laurent



Família Olfativa: Floral Oriental - edp 2001 - edt, 2003
Gênero: Feminino (compartilhável)
Perfumista: Jacques Cavallier - Firmenich
Pirâmide Olfativa:
  • Topo - Bergamota
  • Coração - orquídea branca, pimenta preta
  • Base - Absoluto de incenso, notas amadeiradas, notas especiadas, vetiver

Arte Irmã na música:Tu Es Ma Came


Imagem: Gravura- Medieval Godiva;Frasco de Nu YSL, 2002.

quarta-feira, dezembro 23, 2009

N'Aimez Que Moi by Caron ... Uma História Romântica

Românticos suspirarão encantados, os mais práticos farão blague mas arriscarão uma espiadinha.
Quem resiste ao apelo amoroso?
Caron Parfums tem tradição de perfumes inspirados nos mais profundos sentimentos e uma época conturbada finalizou o conceito amoroso em N'Aimez Que Moi de Ernest Daltroff..
Brilhante e talentoso, iniciou na casa Caron ainda jovem, encontrando na estilista de moda Félicie Vanpouille uma colega de trabalho que se transformou em companheira apaixonada.
A fashionista que assumia tarefas como designer de frascos para perfumes, na idade de 42 anos, em 1916, esperava sacramentar sua relação de quase 10 anos com o sedutor Ernest.
Contudo, dedicação à carreira, inúmeros compromissos e a conturbada situação de guerra do ambicioso nez adiava planos...
Para responder aos anseios da designer nasceu N'Aimez Que Moi.
Tornou-se o símbolo da fidelidade amorosa, dádiva que soldados enamorados ofertavam às suas amadas antes de partir para a frente de batalha.
Era uma promessa de amor e fidelidade.
Ame somente à mim ! Love only me! Seja fiel!
Esta ideia estava contida no perfume que relatam como aroma herbáceo, temperado pelo cítrico de citronella, cremoso em rosas, violetas e íris, ganhando espírito chypre na base rica em madeira de sândalo, cedro, âmbar, musgo e resinas, finalizando poeirento e ambarino.
Alguma citação estabeleceu comparação do bouquet floral e da presença de rosa damascena com Apres l'Ondée by Guerlain ( 1906).
O casal Ernest - Félicie teve uma vida tumultuada, pontilhada pelos conflitos políticos que assolaram a Europa, maltratada pelo envolvimento em grandes guerras.
Félicie, na França, lutou contra a derrocada da casa Caron e confisco de bens, numa trajetória tumultuada.
Ernest faleceu em 1941, sem que esta história de amor tenha alcançado um desfecho feliz, mas antes disso foi para América procurando melhores condições de trabalho, longe da guerra.
Quando se deparou com a Estátua da Liberdade prometeu criar um perfume em homenagem ao espírito de majestade e imponência que a visão lhe inspirou.
Entretanto, tal fato só aconteceu após 60 anos, no lançamento de Lady Caron no ano 2000.
Outra história a ser contada.


Família Olfativa
: Chypre floral, 1917
Gênero: Feminino
Perfumista: Ernest Daltroff
Pirâmide Olfativa:
  • Topo - Cedro, Rosa
  • Coração - Rosa, violeta, lilás, orris
  • Base - Civeta, jasmim, cedro,vetiver, musgo de carvalho
Vai ao Shopping? Confiras preços e marcas nas boas lojas que abrem suas portas em Perfume Bighouse 

Imagens: War Embrace by Shani; Frasco de n'Aimez que Moi - Caron

terça-feira, dezembro 22, 2009

Je Reviens eau de toilette - Worth


"Datado".
Um termo para substituir o quase pejorativo " perfume de vó", comumente usado nas comunidades ou grupos de aficionados pela perfumaria.
O que é exatamente?
Depende da idade de quem fala. Quem tem vinte anos vê desta forma os marcantes e densos perfumes dos anos 80. Quem tem 40 ou mais, retrocede em alguns anos....
É inevitável, Je Reviens tem um aroma antigo.

Este é seu charme.. Aquela sensação de retroceder no tempo.
Posso sentir o cheiro dos salões de cabeleireiro com mulheres de longas unhas recém pintadas de vermelho, e coques ninho de passarinho. Perfumadas,elegantes e falantes.
Menininha, ficava um pouquinho deslumbrada, antevendo o que faria no futuro..
Não, não fui garotinha dos anos 40, ou 50, porém vivi numa cidade ao Sul do Brasil, que na minha infância tinha uns 400.000 habitantes e era um bocado provinciana.
Refratária à mudanças, novidades vinham depois de muito circularem, e na minha infância sucesso garantido ainda era Chanel nª 5.
Entretanto, Je Reviens deveria ser muito conhecido e talvez prestigiado, visto que foi lançado em 1932.
Ao experimentar pela primeira vez, com nariz de quem está interessada em aprender, decifrar e examinar, senti a familiaridade.

Existe algo vintage no floral que embasa  Je Reviens.
Linearidade doce e delicada, na fragrância limpa, no bouquet adoçado com fartas porções de fava tonka.
Esta nota, muito próxima da baunilha, tem uma inclinação para o aroma dos sabonetes finos de tocador, cujo perfume com aura de pós- banho carrega reminiscências de coconut ou coco aliado ao bouquet.
As notas de base asseguram equilíbrio mas não empanam o brilho das flores que é preponderante.
Evolução muito característica de floral aldeído. Delicioso, envolvente, cremoso e amanteigado cujos acordes se diluem sobre flores.
Sinto este acento doce, com intensidade e combinações variadas em Dolce Gabbana edp tradicional, Cheap and Chic edt, Sicily D&G, enquanto consumidores apontam similridade em Blue Grass (1989)
Certamentes inúmeros exploram esta combinação de flores e feijão tonka. A maioria sucessores, sendo muito difícil estabelecer o primordial.

De qualquer forma, é um vintage agradabilíssimo, que evoca intimidade, elegância e sutilezas, vindo de épocas com outros comportamentos e valores. Menos arrogante e agressivo que vários posteriores à Segunda Guerra Mundial.
Reflete uma década que oscilou do massacre hitleriano ao culto de Greta Garbo, evidenciando mudanças "fashionistas" a refletir um estilo de vida elegante refinado e misterioso.
Se a sofisticação era o foco, esportes também, o que se mostrou no vestuário com o advento dos shorts, mudanças em roupas de banho e sociais.
Neste contexto Je Reviens reinou.. Um floral elegante.


Família Olfativa: Floral aldeídico, 1932( releitura -2004)
Gênero: Feminino
Perfumista: Maurice Blanchet
Frasco: Rene Lalique
Rastro: Moderado
Fixação: Boa
Pirâmide Olfativa:
  • Topo - Aldeídos, flor de laranjeira, jasmim, ylang ylang, bergamota, limão.
  • Coração - Narciso, lilás, raiz de íris, jacinto, cravo, ylang ylang, rosa
  • Base - madeira de sândalo, fava tonka, âmbar, almíscarm violeta, musgo de carvalho, vetiver, incenso.

Maurice Blanchet - 1890 - 1953
Como perfumista da Worth idealizou os femininos Dans La Nuit (1024), Dans Adieu (1929), Vers le Jour (1925), Vers Toi ( 1034) e Je reviens, este no mesmo ano em que Jean Carles criou TABU e Jacques Guerlain lançou Vol de Nuit.

Arte Irmã ...nas palavras e na música.

Valor
Ninguém é grande nem pequeno neste mundo pela vida que leva, pomposa ou obscura.
A categoria em que temos de classificar a importância dos homens deduz-se do valor dos atos que eles praticam, das ideias que difundem e dos sentimentos que comunicam aos seus semelhantes.
Ramalhão Ortigão

Vídeo: What'll I Do


Imagens: Ninotchka - Greta Garbo; Paradis des Fleurs de Artelmona Galery; Foto de Je Reviens Worth por Elisabeth Casagrande

segunda-feira, dezembro 21, 2009

Boudoir eau de parfum - Vivienne Westwood

Segredos de tocador escondidos entre rendas, cetins e pérolas, Boudoir traz o frescor da juventude nos acordes frutados do início e a tradicional maturidade em acentos aldeídos e poeirentos envolvendo bouquet doce e farto.
Curvas, opulência, malícia e luxo mesclam em rosa e dourado, desdobrando raios de sol que se infiltram tímidamente, temerosos em desvendar os segredos de alcova.
O que se esconde atrás destas circunvoluções enevoadas, profundamente doces, de flores e especiarias ambaradas?
Breve toque gourmand em tom aldeídico resplandece sobre a pele, cintilante, antevendo a névoa proporcionada pela íris que aparece adornada em sândalo e almíscar.
Flores de laranjeira e rosas irmanam-se para conferir o aspecto floral intenso cuja docilidade é quebrada pelas especiarias em tonalidades de cravo e canela.
Sensualidade à flor da pele, animalic e delicada pela adição de efêmera civeta.
Boudoir é mundano e citadino através da artificialidade aldeídica contrapondo classicismo natural nas especiarias, e no florido jardim.
Notas chypres são indistintas na sua concepção mais pura, embora o patchuli se faça perceber através de comportado aroma herbáceo, combinado à inusitado acento proporcionado pelas folhas e flores de tabaco.

A base traz aroma distinto e surpreendente, onde a ingenuidade do início dá lugar à malícia e abandono do final de noite após exaustiva festa, na qual circularam desde as flores mais doces até os encorpados tabacos regados a bourbon.
Resíduos a revelar para observadores atentos a opulência de ricos encontros sociais.
Boudoir sobrevive entre nuvens de pó-de-arroz e coqueteria desfilando pelos salões da corte francesa, onde poderia encontrar-se secretamente com Habit Rouge.
Segredos de alcova...
Cativa pela base morna, suave e sensual à compensar a artificialidade inicial.


Família Olfativa: Chypre floral, 1998
Gênero: Feminino
Perfumista: Martin Gras
Rastro:Intenso
Fixação: Ótima
Pirâmide Olfativa:
  • Topo - Aldeídos, bergamota, jacinto, flor de laranjeira
  • Coração - Jasmim, narciso, rosa, cravo
  • Base - Patchuli, sândalo, íris, civeta, tabaco, âmbar
Martin Gras
Entre os perfumes mais expressivos deste nez estão:
  • Bogner Wood by Bogner - men
  • Cerruti 1881 by Cerruti - ean
  • Chevignon CC by Chevignon - men
  • Gabriela Sabatini Daylight By Gabriela Sabatini - women
  • Blue Marine Pour Lui by Pierre CArdin - men
  • Damimix by Salvador Dali - unissex
  • Lapidus Pour Homme by Ted Lapidus - men
  • Libertine by Vivienne Westwood - women
Vai ao Shopping? Confiras preços e marcas nas boas lojas que abrem suas portas em Perfume Bighouse 


Arte Irmã
Vídeo: It's All In My Head

Imagens: Montagem com Antoinette, 2008- imagem publicitária de filme; Frascos de Boudoir Vivienne Westwood;

sábado, dezembro 19, 2009

Habit Rouge eau de toilette - Guerlain

Habit Rouge ( o atual) já chegou ganhando o título de perfume mais pesado da minha coleção.
Ao vê-lo,Opium, Quorum, One-Man-Show saíram correndo. Sua elevada "sufocância" de floral seco está ao nível de Ma Griffe, ao qual assemelha por vezes.
Os que gostam de associar idades e aromas devem se precaver... à estes ele será o perfume do bisavô!
É como se num campo florido e abaunilhado fosse aberta uma estrada, recoberta de talco, que rodopia em nuvens levantadas pelos cascos de cavalos num cortejo de carruagens da nobreza.
Vem ornadas com limões, em desfile carnavalesco, carregando nobres que ostentam cabeleiras saturadas de laquê, rostos cobertos de pankake, batons cremosos e roupas perfumadas com patchouli.

Em dado momento são ata(l)cados por uma horda de guerreiros turcos e indianos, desenfreados, cheirando às especiarias nativas, golpeando para todos os lados, levantando ainda mais talco, provocando indescritível confusão.
Este perfume é um espetáculo! Adorei!
Porém, entendo perfeitamente porque sumiu das nossas estradas. Logo depois de adquiri-lo fui visitar um amigo que tem na pia do banheiro uma adorável coleção de acquas...perguntei se queria experimentar o Habit Rouge.
Dito e feito.
Aproximou o frasco do nariz, fez uma careta e declarou:
- Perfume de velho...


Contribuição de Aretê



Família Olfativa: Oriental amadeirado, original 1965,versão 2003
Gênero: Masculino
Rastro: Intenso
Fixação:Muito Boa
Perfumista: Idealização aromática de Jean Paul Guerlain
Frasco: Robert Granai
Pirâmide Olfativa:
  • Topo - Bergamota, limão, pau-rosa, pimenta, alfavaca
  • Coração - Sândalo, cravo, patchuli, cedro, rosa, canela
  • Base - Baunilha, âmbar, musgo de carvalho, couro, benjoim, ládano, olíbano (incenso)
Arte Irmã...nas palavras e na sétima arte
Luxo
" O luxo para a idade madura substitui a juventude.
Não há mulher velha e feia que entre rendas e pérolas não pareça mais nova....Não há homem rico que não consiga convencer-se do seu bom estado de conservação em pleno fausto.
E , o louvável é que os outros chegam a acreditar no milagre da juventude que o luxo empresta."
Godofredo de Alencar

VÍDEO: Marie Antoinette- Luxurious


Imagens: Colagem de Elisabeth Casagrande  com  Oil - Luiz XV -Giovanni Panza -1894; Oil - Arabe et Napoleon - 186; publicidade Guerlain

quinta-feira, dezembro 17, 2009

Jubilation XXV eau de parfum - Amouage

Duas fragrâncias homenageiam 25 anos de Amouage  na execução do perfumista (nez) Bertrand Duchaufour.

JUBILATION XXV for Men

Família Olfativa: Oriental Fougere, 2008
Gênero: Masculino ( compartilhável)
Perfumista: Bertrand Duchaufour
Notas Olfativas: Laranja, mirtilo, coentro, madeira de guaiaco, canela, folhas de louro, ambar, baunilha, opoponax, aoud.

JUBILATION XXV for Women

Família Olfativa: Oriental floral, 2008
Gênero: Feminino ( compartilhável)
Perfumista: Lucas Sieuzac
Notas Olfativas: Limão,Ylang ylang, rosa, âmbar, patchouli, almíscar, vetiver, incenso, mirra.

Arte Irmã na música... Now I'm Here- Queen


Imagens: Frascos Amouage em colagem de Elisabeth Casagrande com fotos Hubble.

quarta-feira, dezembro 16, 2009

Parfum Privé eau de parfum - La Perla

 Fétiche!
Charles de Brosses, escritor francês do século XVIII, popularizou o termo na Europa.
Vocábulo originado do latim facticius, artificial ou fictício, foi usado a princípio pelos portugueses para referirem objetos usados nos cultos religiosos africanos.
Vistos pela psicologia moderna como objetos de conotação sexual que representam um ato, mas não a pessoa por trás do objeto, existem fetiches desde vestuário até partes do corpo.
Comuns na sociedade brasileira são os pés, sapatos e roupa íntima.
Se me permitem a licença quase poética incluiria perfumes.
Karl Marx via nos fetiches um meio para sustentar a sociedade capitalista. Talvez ...

Fetiche, objeto supérfluo incentivo ao capitalismo ou não, irrelevante  quando se gosta de  usar lindos sapatos e lingerie.
Evidentemente a perfumaria de boa qualidade é quase obrigatória.
Se para o homem representam uma forma de irresistível sedução, para mulheres  são artifícios de beleza e auto estima.
Como não sentir a aura da atração sedutora de uma estrela vestindo maravilhosa lingerie, sobre um escarpin de salto agulha, acompanhados de sublime perfume?
Obviamente uma mulher nestas circunstâncias estará lindamente produzida - pele, cabelos unhas e maquiagem impecáveis.
O belo não é só feito de traços perfeitos ou corpos esculturais...detalhes de acabamento fazem parte de um ritual executado há milhares de anos para enfeitar, lapidar e exercer sedução.
La Perla desde o início demonstrou  hábilidade  no designer da lingerie que atende aos diversos objetivos, centrada na beleza, bons materiais ( rendas e seda) e acabamento primoroso.

Resvalar para o mundo da perfumaria foi inevitável, e os aromas seguiram a tradição.
Gostei de tudo que consegui experimentar porém, encantamento foi com Parfum Privé La Perla.
Existe equilíbrio, delicadeza e sedução implícita neste perfume, no seu farto bouquet, nos acordes calorosos, acompanhados de sedoso empoeirado.
Chic, íntimo, acolhedor e sensual, lembra lingerie e a doce revelação do "enfim sós"...
Cada um usa como melhor lhe aprouver, contudo é um aroma de excelencia privé, para desfrutar da solidão à dois.
Perfume para namorar.
Abre intenso e quente com doçura floral oriental permeada pelo especiado comum em cistus, também na mistura de pimentas e mel, no incensado a lembrar benjoim, conferindo picante animalic e herbal como lhes são característicos.

Tênue cítrico ao fundo indica a presença de tangerinas maduras.... levemente.
Vetiver segue o cortejo, sinuoso e coadjuvante salientando o sobrepujar do pó das madeiras e a docilidade do almíscar, que ocasionalmente emergem do fundo.
Bouquet exuberante, melífero, envolvente e sedoso.
Entre tantas pétalas coloridas é possível que encontremos íris quase sufocada por ylang ylang, osmanthus, junquilhos e rosa canina.
Vetiver revela seus pares, temperado por diminutas alíquotas de suave musgo, e comportado patchuli.
Apaixonante coração revela acento frutado, ocasionalmente sugerindo damascos, oriundo de osmanthus ou olivier de chine.
Acorde diferencial e cativante, permanece durante longo tempo e adormece ao lado de intensos, enevoados e polvorosos almíscar, madeira de sândalo e âmbar.

Lamentávelmente não tenho visto La Perla - Parfum Privé circulando pelos salões das perfumarias.
Neles seria companhia constante e o lado mais suave de Le Baiser du Dragon, afável com Opium e Cabochard apesar de serem companheiros  de ânimo exacerbado, orgulhosa das semelhanças com La Perla, mais velha, de 1987, ganhadora de IFF Awards. Adoraria a presença de alguns Caron e de Fendi Donna, partilharia segredos sobre niche perfumery com Boudoir. Provavelmente faria charme para Dior Homme e ficaria irresistivelmente encantada com Declaration Cartier.
Está em temporário recesso, ou descontinuou...


Família Olfativa: Chypre, 1997
Gênero: Feminino
Rastro: Intenso
Fixação: Ótima
Notas Olfativas: Tangerina, magnolia, madeira de sândalo, almíscar, orquídea, junquilho, osmanthus, rose hip ou rosa canina , vetiver, ylang-ylang.

Vai ao Shopping? Confiras preços e marcas nas boas lojas que abrem suas portas em Perfume Bighouse 

Arte Irmã na sedução da poesia e da música

Sedução
" A vida, meu amor, é uma grande sedução onde tudo que existe se seduz.
Clarice Lispector
VÍDEO: When You're Sleeping - Natalie Imbruglia



Imagens: La Perla by La Perla (1987); Paradox-oil on canvas de Andreia Art; Spring break - oil on woods de Andreia Art, foto de frasco La Perla de Elisabeth Casagrande